‘Usa Open Source, mas sê simpático’: um lembrete para quem migrou para o Signal

Se te mudaste recentemente para a aplicação open source, Signal, e notas falta de alguma funcionalidade, este texto é para ti:

Recentemente o WhatsApp surpreendeu os utilizadores fora da União Europeia com uma oferta que nenhum pôde recusar, o que espoletou uma corrida a aplicações de mensagens instantâneas que tenham na sua génese uma ética de proteção dos dados dos seus utilizadores. Muitos optaram pelo já conhecido Telegram, no entanto, foi o Signal que registou uma maior quantidade de downloads e de novos utilizadores, ocupando neste momento a segunda posição como aplicação mais descarregada da App Store, colocando o WhatsApp no sétimo lugar (o Telegram detém atualmente o terceiro).

O Signal é uma aplicação open source, desenvolvida pela fundação sem fins lucrativos, Signal Foundation, criada por Brian Acton, um dos co-fundadores do WhatsApp, Moxie Marlinspike e Meredith Whittaker, com o intuito de se estabelecer com uma das aplicações de mensagens mais seguras. Criada em 2014, o Signal já foi diversas vezes endossado por entidades de referência pela sua política de privacidade, tais como a Comissão Europeia ou o próprio Edward Snowden, mas como em muitos outros casos foi a polémica que alimentou o êxodo em direção a esta alternativa.

Qual a app de mensagens mais segura? Comissão Europeia escolhe o Signal para uso interno

Até aqui, os utilizadores do Signal seriam maioritariamente utilizadores cuja prioridade é a privacidade e que têm consciência dos problemas que empresas como o Facebook têm a nível de proteção de dados. Este público, na sua maioria mais consciente das contigências do desenvolvimento tecnológico, seria também mais compreensivo com o modelo de desenvolvimento da aplicação e os constragimentos de uma fundação sem fins lucrativos. Contudo, a subida da aplicação nos tops das app stores expõem-na perante um público mais alargado e levou um utilizador do fórum da comunidade Signal a um aviso muito pertinente: Usem o Signal mas sejam simpáticos. 

Pelo foco da fundação que promove o seu desenvolvimento, o Signal não tem tantos recursos como, por exemplo, o Facebook e portanto é natural que existam alguns bugs no funcionamento da aplicação e que algumas funcionalidades que pudessem ser expectáveis, ainda não estejam disponíveis. O foco da fundação é a privacidade e nesse domínio as falhas devem ser mínimas ou inexistentes, contudo, o esforço neste sentido pode naturalmente atrasar o desenvolvimento noutros âmbitos que seria prioritários no WhatsApp. Contudo esta gestão de prioridades nem sempre é bem entendida, especialmente pelos estreantes no universo open source, o que motivou Adam Piggot ao tal post.

Adam alude às dezenas de questões que vai vendo nos fóruns das comunidades open source exigindo esta ou aquela funcionalidade, muitas vezes num tom rude e desagradável, de menosprezo e subvalorização dos programadores, pedindo para que os novos utilizadores não o façam. Piggot lembra ainda o criador do Fedilab que recentemente anunciou que estava a passar por uma fase de burn out e saíria das redes em sequência de pedidos deste género. No seu comentário, o utilizador lembra que neste tipo projectos desenvolvidos em Open Source, os contributos dos voluntários são muitas vezes uma parte essencial do desenvolvimento, e mais, que se obtemos um serviço desta qualidade de forma gratuita devíamos ser mais gratos e menos corrosivos.

Uma mensagem como esta é sempre um lembrete importante. Não só para nos recordar que devemos ser mais simpáticos online porque do outro também existem pessoas, mas também que existem indivíduos, empresas, associações e fundações a trabalhar diariamente para construir as aplicações e serviços que usamos diariamente e que as funções destas não são mais do que o reflexo das prioridades das suas equipas de desenvolvimento. No caso do Signal, a equipa sempre reiterou que a privacidade seria o seu principal foco.

Por isso se pensares que falta algo na aplicação ou que gostarias de ver implementada uma ideia disruptiva, não hesites em acorrer ao fórum da comunidade ou a partilhar a tua ideia em público, mas fá-lo de uma forma simpática e não arrogante. Já agora, lembra-te que muitas vezes estas associações vivem de doações dos seus utilizadores, portanto se fores um deles e puderes, considera contribuir.

https://community.signalusers.org/t/reminder-please-be-nice/21217

É bom ver uma aplicação tão dedicada à privacidade dos seus utilizadores a ter a atenção que merece. No entanto, há que ter em consideração que esta equipa, e praticamente todas as equipas por detrás de software que não tenham como objetivo principal lucrar, não tem os meios que os gigantes da indústria têm atualmente, o que implica que nem tudo funciona a 100%. 

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • Engenheiro Informático de profissão, Pedro Caldeira é um apaixonado por tecnologia e acima de tudo música. Escreve regularmente sobre temas relacionados com tecnologia disruptiva e sobre álbuns e artistas que o inspiram.

Contribui para o Shifter para mais artigos como este:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Ainda em testes

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt