Principais funcionalidades do GitHub são agora gratuitas para todos

O GitHub anunciou esta semana que a partilha de repositórios privada passa a ser gratuita para todos os utilizadores, deixando de ser necessária a subscrição do plano Teams.
3 minutos de leitura
Imagem via GitHub

Um dos motivos pelos quais nós, no Shifter, optámos pelo GitLab em detrimento do GitHub teve que ver com o facto de o primeiro permitir, no plano base gratuito, a criação de repositórios privados nos quais diferentes pessoas possam estar a trabalhar – no GitHub essa opção era paga. (Outro motivo, menos importante, prendia-se com o facto de o GitLab ser uma estrutura independente, enquanto que o GitHub pertence à Microsoft.)

Contudo, o GitHub – a par do GitLab, uma das mais populares plataformas online para projectos open source – anunciou esta semana que a partilha de repositórios privada passa a ser gratuita para todos os utilizadores, deixando de ser necessária a subscrição do plano Teams. O GitHub não vai colocar limites no número de colaboradores que podem estar associados a um determinado repositório. Com esta novidade, as funcionalidades principais do GitHub passam a ser gratuitas para todos os utilizadores, sem qualquer custo – algo que, como já referimos, acontecia no GitLab. Tanto o GitHub como o GitLab têm planos pagos para os chamados power users, isto é, aqueles utilizadores mais exigentes. No caso do GitHub, a opção mais acessível chama-se Teams, dá, entre outras funcionalidades, mais espaço de armazenamento e custa agora 4 dólares/mês.

Screenshot via GitHub

“Estamos a transitar o GitHub de um modelo pagar-por-privacidade para pagar-por-funcionalidades, o que tipicamente é chamado de freemium”, esclareceu Nat Friedman, CEO do GitHub, ao TechCrunch, referindo que esta mudança estava prevista há algum tempo – na sequência da aquisição da plataforma pela Microsoft em 2018 –, e que não foi motivada pela crise do Covid-19. “Queremos que qualquer programador e equipa na terra use o GitHub para desenvolvimento, seja público ou privado.”

O GitHub e o GitLab são peças importantes no puzzle do open source. É habitualmente nestas plataformas que programadores partilham código em formato aberto para que outros possam utilizá-lo; mas estes serviços servem também para a colaboração interna entre programadores. No GitLab do Shifter, temos publicado o nosso primeiro (e, por agora, único) projecto open source – o da fonte Shifter Sans; mas temos outros projectos nos quais estamos a trabalhar em privado (como é o caso do nosso novo site) e que partilhamos uns com os outros através do GitLab. No nosso processo de trabalho, dá-nos muito jeito o GitLab permitir a partilha de repositórios privados sem custo.

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • Jornalista, adepto de cidades humanas e curioso por ideias que melhorem o país. Co-fundei o Shifter em 2013, sou desde 2020 coordenador do projecto editorial Lisboa Para Pessoas.

O Shifter depende de ti 

O Shifter faz jornalismo com as pessoas que dele querem fazer parte. Estamos a criar um espaço de publicação para pensamento colectivo e comunitário, aberto a sugestões e diálogos. Procuramos estabelecer pontes entre diferentes actores da sociedade, da academia ao activismo, da cultura à política.

Se puderes apoiar-nos nesta missão, subscreve a partir de 2€ por mês ou faz um donativo único:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Artigos Relacionados

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Em teste

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt