Consumo de carne vermelha: um risco para a saúde ou para o ambiente?

Deixando os mitos de parte, foquemo-nos nos estudos que se debruçam sobre as evidências ao dispor da ciência num e noutro caso.
5 minutos de leitura
Theo Leconte via Unsplash

Durante os últimos anos as carnes vermelhas têm sido altamente diabolizadas. Por um lado, há quem afirme que podem ter um contributo significativo para o desenvolvimento cancerigeno, por outro, quem aponte que a sua produção é uma das responsáveis pela crise climática. Deixando os mitos de parte, foquemo-nos nos estudos que se debruçam sobre as evidências ao dispor da ciência num e noutro caso.

Sobre a saúde humana:

Durante muitos anos, muitas organizações têm afirmado que a carne vermelha e processada é prejudicial para a saúde. As Recomendações Americanas Dietéticas 2015-2020 recomendam limitar o consumo de carne vermelha para uma única vez por semana, enquanto que a World Cancer Research Fund/American Institute for Cancer Research recomenda, genericamente, limitar o consumo de carne vermelha para quantidades moderadas e o consumo de carne processada para quantidades muito reduzidas. A World Health Organization International Agency for Research on Cancer chegou inclusive a classificar o consume de carne vermelha como “provavelmente carcinogénico” para os humanos, e a carne processada como “carcinogénica”. Contudo, todas estas recomendações, bem como muitas outras, foram realizadas com base em estudos observacionais, o que as torna de pouca robustez e evidência limitada.

Face a estas limitações foi criado um grupo independente composto por clínicos e nutricionistas com competência em metodologia de revisões sistemáticas e criação de recomendações práticas. Este grupo desenvolveu um consórcio internacional de recomendações nutricionais, chamado NutriRECS, para produzir recomendações nutricionais consistentes e baseadas na evidência.

Mais de 100 estudos, incluindo mais de 6 milhões de participantes foram analisados e, em Novembro de 2019 saíram novas recomendações nutricionais, contrárias a quase todas as que existiam até então. As conclusões gerais foram que as dietas contemplando reduções no consumo de carne resultam apenas em pequenas diferenças no risco de doenças cardiometabólicas e cancerígenas. Estas novas recomendações sugerem assim que os adultos podem ou devem manter o actual consumo de carne vermelha.

Analisando de forma mais pormenorizada os vários estudos efectuados podemos perceber que a redução do consumo de carne vermelha pode levar a uma pequena diminuição do risco de doença cardiometabólica e da mortalidade global, no entanto, a magnitude do efeito absoluto é muito pequena. 1 Relativamente à incidência global de cancro e mortalidade associada ao mesmo, as reduções de risco verificadas também foram muito pequenas, com uma fraca evidência associada.2

Apesar disto, verificou-se que, de uma maneira geral, a magnitude do efeito adverso aparente do consumo de carne processada na saúde foi, em certa medida, maior comparativamente ao observado para o consumo de carne vermelha não processada.3 Apesar deste pequeno risco associado ao consumo de carnes vermelhas encontrado, parecem existir alguns benefícios com a sua ingestão no que toca ao desenvolvimento muscular e ao desenvolvimento de anemia, quando comparado a dietas vegetarianas.4

Sobre as consequências ambientais:

No que toca a questões ambientais, o consumo de carne vermelha já não parece ter um efeito tão suave e imperceptível. Sabe-se com grande nível de certeza que a indústria de carnes, através da criação e manutenção de grandes gados, tem um elevado impacto ambiental, não só devido à grande utilização de água potável, como também devido à utilização de milhares de hectares de terreno e à produção de enormes quantidades de gases.

De acordo com o relatório da Organização de Agricultura das Nações Unidas, a criação de gado para indústria de carne utiliza cerca de 30% dos terrenos mundiais, ameaçando a biodiversidade que anteriormente os utilizava como habitat. 5 A par disto, a pecuária intensiva é um dos grandes responsáveis pelo aquecimento global, emitindo 18% da totalidade de gases actualmente produzidos, constituindo assim uma parcela maior do que a dos próprios transportes.6 Por este motivo, e devido à redução da emissão de gases que a opção por uma dieta vegetariana em detrimento de uma dieta baseada em animais pode representar, é possível afirmar que a escolha individual e pessoal da dieta é tão importante como a escolha do próprio meio de transporte.

A criação de gado é também, tal como referido anteriormente, um dos responsáveis pelo grande problema de escassez de água que se enfrenta a nível mundial, sendo directamente responsável por 8% da sua utilização.7 Para além destes gastos exorbitantes, afecta ainda negativamente a reposição de água doce, compactando o solo (o que reduz a infiltração), contribuindo para a desflorestação (o que aumenta o escoamento), degradando as margens dos cursos dos rios e reduzindo a extensão e armazenamento dos lençóis de água.

De acordo com vários estudos que compararam uma dieta baseada em proteína animal e proteína vegetal, verificou-se que para produzir a mesma quantidade de proteína a partir de fontes animais são necessários 11 vezes mais combustíveis fósseis e 100 vezes mais quantidades de água, quando comparado com a produção de proteína a partir de fontes vegetais. 8

Concluindo, a evidência sugere que a adopção global de uma dieta com menos carne vermelha e mais vegetais, apesar de não afectar de forma tão marcada a nossa saúde, reduz de forma significativa o impacto humano no ambiente e pode melhorar consideravelmente problemas ambientais como o aquecimento global e a escassez de água a nível mundial. Contudo, é preciso ter em conta que afirmações deste tipo não devem ser tidas como verdades absolutas nem transformadas em mitos fundamentalistas, uma vez que para saber os resultados, para o ambiente, da substituição das carnes vermelhas na dieta da maioria das pessoas, era preciso perceber qual a escolha alternativa.

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • Interna de formação específica de Medicina Geral e Familiar, mas para além de médica sou também uma amante da ciência no geral. Leio livros de Medicina no trabalho e livros de Física nos tempos livres. Escrevo por isso sobre ciência, desde a grande Biosfera que é o planeta Terra, à mais pequena partícula como o electrão.

Sugestões de Leitura

Estamos a criar uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura.

Uma revista criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

Queremos fazer do Shifter um espaço de publicação para pensamento colectivo e comunitário, aberto a sugestões e diálogos. Um ponto de encontro entre diferentes actores da sociedade, da academia ao activismo, da cultura à política.

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt