ID. O novo festival de Cascais já tem cartaz fechado

O ID realiza-se dias 29 e 30 de Março. Até à véspera do festival, o passe que dá acesso aos dois dias custa 45 euros.
1 minuto
Post Author
  • O Shifter é uma revista comunitária de pensamento interseccional. O Shifter é uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura, criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

ID, o novo festival de música de Cascais, que nasceu das cinzas do Lisboa Dance Festival, já tinha anunciado nomes de topo como IAMDDB, Arca, Madlib e Kamaal Williams. Agora, com o cartaz fechado, estão também garantidas as presenças de Little Dragon, Colónia Calúnia e muitos outros, entre os dias 29 e 30 de Março no Centro de Congressos do Estoril.

Com a assinatura “no limits”, o ID é um festival que se foca na música electrónica e urbana, procurando o que mais de relevante se faz nesse contexto lá fora e cá dentro, sem limites ou rótulos estáticos. O ID bebe, dessa forma, parte da identidade do seu antecessor.

Com uma programação distribuída por quatro palcos, todos eles no interior do Centro de Congressos do Estoril, o ID vai receber além do cartaz já anunciado: Little Dragon, Vessel w/ Live AV Pedro Maia, Jacques Greene, Kerox, Parkbeat (curadoria), Haai, Colónia Calúnia (showcase), Hunee, Pearson Sound, Varela, Photonz e Pedro Mafama.

Além do anúncio dos novos nomes, o ID revelou também o alinhamento diário:

O ID realiza-se dias 29 e 30 de Março. Até à véspera do festival, o passe que dá acesso aos dois dias custa 45 euros; comprado à porta, fica a 50 euros. O bilhete diário custa 35 euros. Os ingressos podem ser adquiridos, por exemplo, na Blueticket e Eventbrite.

Partilha nas redes sociais:
Post Author
  • O Shifter é uma revista comunitária de pensamento interseccional. O Shifter é uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura, criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

Sugestões de Leitura

Estamos a criar uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura.

Uma revista criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

Queremos fazer do Shifter um espaço de publicação para pensamento colectivo e comunitário, aberto a sugestões e diálogos. Um ponto de encontro entre diferentes actores da sociedade, da academia ao activismo, da cultura à política.

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt