Black Friday ou Buy Nothing Day? Os dois lados da história deste dia

Procurar
Close this search box.
Obra de Barbara Kruger

Black Friday ou Buy Nothing Day? Os dois lados da história deste dia

Nunca foi tão importante parar para pensar – e o teu apoio pode fazer toda a diferença.

Num ambiente mediático demasiado rápido e confuso, o Shifter é uma publicação diferente. Se gostas do que fazemos subscreve a partir de 2€ e contribui para que tanto tu como quem não pode fazê-lo tenha acesso a conteúdo de qualidade e profundidade.

O teu contributo faz toda a diferença. Sabe mais aqui.

A mutação do que era uma tradição numa espécie de ritual puramente consumista gerou o seu revés e contra a corrente, a meio dos anos 1990 surgiu o Buy Nothing Day — o Dia Mundial Sem Compras.

Com certeza que nos últimos dias te cruzaste com anúncios e até notícias de que hoje, um dia depois do Dia de Acção de Graças nos Estados Unidos da América, seriam a já famosa Black Friday, dia em que os preços de tudo e mais alguma coisa ficariam com descontos brutais. Tradicionalmente este dia inaugura a época de compras natalícias e é tacitamente celebrado desde os longínquos 1950, apesar de só nos últimos anos ter ganho a força de Black Friday e se ter globalizado em força, pelo poder do marketing, chegando, por exemplo, ao nosso distante Portugal. A mutação do que era uma tradição numa espécie de ritual puramente consumista gerou o seu revés e contra a corrente, a meio dos anos 1990 surgiu o Buy Nothing Day — o Dia Mundial Sem Compras.

Criado pelo artista canadiano Ted Dave, o Buy Nothing Day começou por ser celebrado em Setembro, uma vez que o seu criador queria evitar conotações com uma postura anti-natalícia. Contudo, o movimento amplamente promovido pela revista adbusters ganhou vida própria e ao afastar-se da sua fundação acabou por ser arrastado para a Black Friday como movimento contraditório à tendência global.

Desde a sua criação o movimento foi tendo algumas modificações e nos últimos anos surgiu mais um argumento a sustentá-lo. Para além da ideia inicial de se opôr à necessidade de consumo para afirmação pessoal — por exemplo expressa na obra icónica de Barbara Kruger que surge em destaque no artigo — associa-se também o argumento ambientalista. É que se é verdade que o peso de cada indivíduo na pegada ecológica global é diminuta, também o é que é a procura desmedida por bens de consumo que gera o crescimento das empresas, a exploração de recursos e a geração de toneladas de lixo, como recorda o anúncio criado pela Adbusters há 23 anos que podes ver aqui.

Índice

  • João Gabriel Ribeiro

    O João Gabriel Ribeiro é Co-Fundador e Director do Shifter. Assume-se como auto-didacta obsessivo e procura as raízes de outros temas de interesse como design, tecnologia e novos media.

Subscreve a newsletter e acompanha o que publicamos.

Eu concordo com os Termos & Condições *

Apoia o jornalismo e a reflexão a partir de 2€ e ajuda-nos a manter livres de publicidade e paywall.

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt