Helena Amaro: “O que mais causa sensação de burnout é a mobilidade”

Nesta entrevista, falámos sobre a dependência e os apoios ao veículo particular em detrimento dos transportes públicos, da descentralização da gestão dos transportes, a nível nacional, da acessibilidade fora dos centros urbanos e da mobilidade como fator de ascensão social.
1 minuto

Segundo dados disponibilizados pela Pordata, Portugal tinha, em 1990, 185 carros por cada 1000 habitantes. Em 2016, o número tinha crescido para 470 carros por cada 1000 habitantes. Será que ter carro é sinónimo de possibilidade ou de necessidade?

Nesta entrevista, conversamos com Helena Amaro, doutoranda em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto e pelo CHAIA – Centro de História da Arte e Investigação Artística da Universidade de Évora. Falámos sobre a dependência e os apoios ao veículo particular em detrimento dos transportes públicos, da descentralização da gestão dos transportes, a nível nacional, da acessibilidade fora dos centros urbanos e da mobilidade como fator de ascensão social.

Texto e entrevista de Ricardo Esteves Ribeiro; preparação de Ricardo Esteves Ribeiro, Pedro Miguel Santos e Maria Almeida; edição de Ricardo Esteves Ribeiro; fotografia e vídeo de Joana Batista; som de Bernardo Afonso.

(Nota: o que vais ouvir, ler ou ver foi produzido pela equipa do Fumaça, um projecto de jornalismo independente, e foi originalmente publicado em fumaca.pt.)

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • O Fumaça é um projecto de jornalismo independente. Um meio contra-poder que quer descodificar os processos e estruturas formais e informais da Democracia representativa em que vivemos: questionar as decisões tomadas, responsabilizar quem as toma e escrutinar as pessoas que mandam e actuam no sistema político-partidário.

Sugestões de Leitura

Estamos a criar uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura.

Uma revista criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

Queremos fazer do Shifter um espaço de publicação para pensamento colectivo e comunitário, aberto a sugestões e diálogos. Um ponto de encontro entre diferentes actores da sociedade, da academia ao activismo, da cultura à política.

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt