Navega pelos recantos do YouTube e volta à essência da internet

Para contrariar os algoritmos é preciso perceber as suas falências e como podem ser contornados.
3 minutos de leitura
Post Author
  • O Shifter é uma revista comunitária de pensamento interseccional. O Shifter é uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura, criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

Quem já navega pela internet há uns bons aninhos com certeza que foi reparando na forma como ao longo do tempo tudo se foi tornando mais higiénico. O que antigamente era uma espécie de selva de conteúdos carregados por utilizadores um pouco por todo o mundo foi ganhando cada vez mais preceitos e preconceitos até se tornar numa réplica dos programas de apanhados e das listas de músicas mais ouvidas que outrora víamos na TV.

Os algoritmos chegaram em força e a sua intermediação beneficia os conteúdos mais vistos, relegando para um canto obscuro aquilo que não agrada as massas. A mudança foi subtil e às massas ainda nem a assimilaram mas a verdade é que o espírito predominante na internet se alterou por completo, como escreve Oscar Schwartz num grande artigo publicado na revista The Baffler. Se outrora amigos competiam por ver quem encontrava o vídeo mais estranho e recôndito, privilegiando um certo incentivo à diferença no espaço online, hoje a tendência é cada vez mais o apelo para que vejamos todos o mesmo — basta pensarmos nos fenómenos do streaming.

Contudo, não tem de ser sempre assim e a verdade é que há formas (e benefícios) de trazer a velha internet de volta. Se quisermos explicar de uma forma simples: contrariando os algoritmos. E para isso não basta entrar nas plataformas sem login.

Se entrarmos no YouTube sem a nossa conta ligada a plataforma vai optar por nos mostrar o conteúdo que mais se encaixa no seu algoritmo; se há uns tempos seria o vídeo mais popular, hoje e do modo como parece construído o algoritmo, a tendência parece ser mostrar-nos vídeos que nos prendam durante largos minutos, a assistir por exemplo à preparação de uma refeição num restaurante japonês ou a ver um sem fim de truques simples que nos vão salvar a vida.

Para contrariar os algoritmos, é preciso perceber as suas falências e como podem ser contornados. Foi isso que fez Everest Pipkin, artista e curador norte americano no seu projecto Default Filename TV. Pipkin apercebeu-se de que, se o YouTube o deixava fazer carregamentos para a plataforma sem dar um título ao vídeo, permitiria o mesmo aos restantes; e, a partir daí, criou uma simples plataforma onde podemos ver vídeos que foram carregados sem estarem identificados, directamente das câmaras.

A ideia não é uma plataforma completa com o YouTube, nem pretende ser. Pelo contrário, é uma demonstração artística do papel de mediador prestado pelos algoritmos e uma espécie de portal de resistência à homogeneização de conteúdos promovida actualmente. Visto que os vídeos são identificados apenas pelo título gerado pela máquina não há referências que os algoritmos possam decifrar e o resultado é perto do completamente aleatório.

Em meia dúzia de cliques, vimos um sikh a fazer xixi, uma regata de vela, um cão a comer e um nigeriano a discursar. Se ao pensarmos de acordo com os preconceitos de hoje em dia, podemos achar que esta experiência é uma perda de tempo, ao recuperarmos a ideia de que a internet pode servir para nos ligar a pessoas comuns como nós, mas diferentes como todos somos, rapidamente aprendemos a valorizar uma experiência que não depende do consenso; no mar de conteúdos esta é se calhar a forma mais real de navegar.

Partilha nas redes sociais:
Post Author
  • O Shifter é uma revista comunitária de pensamento interseccional. O Shifter é uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura, criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

Sugestões de Leitura

Estamos a criar uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura.

Uma revista criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

Queremos fazer do Shifter um espaço de publicação para pensamento colectivo e comunitário, aberto a sugestões e diálogos. Um ponto de encontro entre diferentes actores da sociedade, da academia ao activismo, da cultura à política.

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt