Prémios Grammy alteram categoria “urban” após críticas

Ao longo dos anos foram-se somando as críticas aos Grammys em torno desta categoria, de artistas como Billie Eilish ou Tyler, The Creator, que descreveu o uso de “urban” na categoria como “uma forma educada de dizer a n-word”.

Esta semana, a organização dos Grammys anunciou algo há muito antecipado por diversos artistas musicais, em especial por músicos BIPOC (black, indigenous and people of colour): a partir da próxima edição da gala (a 63ª edição, a realizar dia 31 de Janeiro de 2021) o termo “urban” deixará de ser usado para designar uma categoria dedicada à música RnB onde anteriormente era empregue — ou pelo menos, o termo deixará de ter um uso tão visível e óbvio.

Anteriormente conhecida pelo nome “Best Urban Contemporary Album”, a categoria em questão passará agora a chamar-se “Best Progressive RnB Album”. A mudança encontra-se somente na sua designação, mantendo-se inalterado o seu critério de seleção: são aceites por esta álbuns que incorporam vários dos elementos integrantes do género RnB, tais como hip-hop, soul, música eletrónica, entre outros. O termo também foi removido da categoria “Latin Rock, Urban Or Alternative Album”, renomeada entretanto como “Best Latin Rock Or Alternative Album”.

Ao longo dos anos foram-se somando as críticas aos Grammys em torno desta categoria, de artistas como Billie Eilish ou Tyler, The Creator, que descreveu o uso de “urban” na categoria meramente como “uma forma educada de dizer a n-word”. O site The Establishment publicou em 2018 uma análise etimológica do racismo subversivo inerente à palavra “urban”, especialmente no contexto da entrega de prémios.

A Recording Academy justifica esta ação como uma forma de realçar a crescente inclusividade no ramo musical. Porém, o termo “urban” não desapareceu por completo do dicionário dos Grammys. A categoria “Latin Pop Album” passará agora a chamar-se “Best Latin Pop Or Urban Album”, uma suposta reflexão da crescente presença de indivíduos de descendência latina na comunidade urbana americana, mas que por sua vez contradiz a justificação dada para a remoção do termo nas outras duas categorias.

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • Tem 24 anos, tirou o mestrado em Engenharia Informática e de Computadores e trabalha atualmente como engenheiro de dados. A sua real paixão reside nas artes, nomeadamente no cinema, literatura, e videojogos. Planeia eventualmente aventurar-se na área de cinema, mas até lá contenta-se a escrever sobre tudo aquilo que o inspira.

O Shifter depende de ti 

O Shifter faz jornalismo com as pessoas que dele querem fazer parte. Estamos a criar um espaço de publicação para pensamento colectivo e comunitário, aberto a sugestões e diálogos. Procuramos estabelecer pontes entre diferentes actores da sociedade, da academia ao activismo, da cultura à política.

Se puderes apoiar-nos nesta missão, subscreve a partir de 2€ por mês ou faz um donativo único:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Artigos Relacionados

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Em teste

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt