Pirataria de filmes aumentou em período de confinamento

Foto de Simone Daino via Unsplash

Pirataria de filmes aumentou em período de confinamento

Os dados indicam um crescimento substancial na pirataria de filmes mas no que toca a séries e conteúdo de TV o aumento foi pouco significativo.

De acordo com uma análise da Muso, empresa especializada em pirataria digital, sediada em Londres, o tráfego em sites piratas aumentou entre 40% e 60% depois de ter sido decretado o confinamento em casa. Em Itália, a procura por pirataria subiu 66%, em Espanha 50,4%, em Portugal 47%, na Alemanha 35,5%, no Reino Unido 42,5% e nos EUA 41,4%.

A análise da Muso é específica para cada país e tem em conta as diferentes datas em que os respectivos governos e autoridades decretaram a obrigatoriedade da população permanecer em casa: 22 de Fevereiro para Itália, 14 de Março para Espanha, 22 de Março para Alemanha, 23 para o Reino Unido e 31 de Março para a maior parte dos estados norte-americanos. A Muso comparou a procura por pirataria neste contexto com valores de períodos homólogos, comparando também a variação entre o final de Março (em confinamento) e o final de Fevereiro (ainda sem medidas de isolamento).

“As tendências de pirataria e de consumo não licenciado correlacionam-se de perto com as de conteúdo pago ou licenciado”, refere Andy Chatterley, director executivo da Muso. “Por isso, tal como o Netflix vê ganhos grandes em termos de subscritores, vimos um aumento significativo nas visitas a sites de pirataria de filmes.”

Os dados da Muso indicam um crescimento substancial na procura por filmes pirateados mas no que toca a séries e conteúdo de TV o aumento foi pouco significativo. Este ponto pode estar relacionado com a oferta dos serviços de streaming ser focada em conteúdos televisivos, nomeadamente séries.

O Netflix registou lucros de 709 milhões de dólares entre Janeiro e Março e somou 15,8 milhões novos subscritores nos primeiros três meses de 2020, totalizando agora 182 milhões de assinantes por todo o mundo. Os números estão acima da expectativa da empresa norte-americana, líder mundial em streaming. Paralelamente, as acções do Netflix têm valorizado e chegaram mesmo a atingir os valores mais altos desde o início da cotação na Bolsa de Nova Iorque em 2002.

Contas feitas, o Netflix conseguiu manter-se firme, beneficiando do isolamento social em casa forçado pela pandemia de Covid-19, sem mostrar sinais de abrandamento por causa dos novos concorrentes – nomeadamente o Disney+, que condensa os universos da Fox e da Disney, o Apple TV+ ou o aguardado HBO Max, o gigante da WarnerMedia.

Se chegaste até ao fim, esta mensagem é para ti

Num ambiente mediático que, por vezes, é demasiado rápido e confuso, o Shifter é uma publicação diferente e que se atreve a ir mais devagar, incentivando a reflexões profundas sobre o mundo à nossa volta.

Contudo, manter uma projecto como este exige recursos significativos. E actualmente as subscrições cobrem apenas uma pequena parte dos custos. Portanto, se gostaste do artigo que acabaste de ler, considera subscrever.

Ajuda-nos a continuar a promover o pensamento crítico e a expandir horizontes. Subscreve o Shifter e contribui para uma visão mais ampla e informada do mundo.

Índice

  • Shifter

    O Shifter é uma revista comunitária de pensamento interseccional. O Shifter é uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura, criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

Subscreve a newsletter e acompanha o que publicamos.

Eu concordo com os Termos & Condições *

Apoia o jornalismo e a reflexão a partir de 2€ e ajuda-nos a manter livres de publicidade e paywall.

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt