Crise climática ameaça espécie humana, assume JP Morgan, um dos maiores financiadores de combustíveis fósseis

Procurar
Close this search box.
Foto de Martin Sepion/via Unsplash

Crise climática ameaça espécie humana, assume JP Morgan, um dos maiores financiadores de combustíveis fósseis

Nunca foi tão importante parar para pensar – e o teu apoio pode fazer toda a diferença.

Num ambiente mediático demasiado rápido e confuso, o Shifter é uma publicação diferente. Se gostas do que fazemos subscreve a partir de 2€ e contribui para que tanto tu como quem não pode fazê-lo tenha acesso a conteúdo de qualidade e profundidade.

O teu contributo faz toda a diferença. Sabe mais aqui.

Um dos maiores financiadores de combustíveis fósseis do mundo divulgou um documento que diz que as mudanças climáticas podem acabar com a "vida humana como a conhecemos".

Parece contraditório, mas o maior financiador mundial de combustíveis fósseis divulgou a semana passada um documento para alertar os seus clientes de que a crise climática ameaça a sobrevivência da humanidade e que o planeta está numa trajetória insustentável.

O relatório da JP Morgan sobre os riscos económicos do aquecimento global causado pelo homem afirma que a política climática tem mesmo de mudar ou que o mundo enfrenta consequências irreversíveis. O jornal britânico The Guardian, que teve acesso e divulgou o documento, refere que o estudo condena implicitamente a estratégia de investimento do próprio banco norte-americano e destaca preocupações crescentes entre as principais instituições de Wall Street sobre os riscos financeiros e de reputação do financiamento contínuo de indústrias de carbono, como petróleo e gás.

A JP Morgan forneceu 75 mil milhões de dólares em serviços financeiros para as empresas que se expandem mais agressivamente em setores como fracking (ou fraturamento hidráulico, um método que possibilita a extração de combustíveis líquidos e gasosos do subsolo) e exploração de petróleo e gás no Ártico desde o acordo de Paris, segundo uma análise compilada pelo Guardian no ano passado.

O The Guardian revela ainda que o relatório foi obtido por Rupert Read, um porta-voz do grupo activista Extinction Rebellion e académico de Filosofia da Universidade britânica de East Anglia.

Segundo a BBC, o banco já tinha alertado os seus clientes para as consequências das alterações climáticas outras vezes, mas nunca com termos tão fortes como os usados agora. A pesquisa dos economistas da JP Morgan, David Mackie e Jessica Murray, diz que a crise climática afetará não só a economia mundial, mas a saúde humana, o stress hídrico, a migração e a sobrevivência de outras espécies na Terra. “Não podemos descartar resultados catastróficos onde a vida humana como a conhecemos está ameaçada”, observa o artigo, datado de 14 de janeiro.

Com base em extensa literatura académica e previsões do Fundo Monetário Internacional e do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (IPCC), o artigo observa que o aquecimento global está a caminho de atingir 3,5°C acima dos níveis pré-industriais até ao final deste século. Os autores urgem a ação dos responsáveis políticos, escrevendo que as decisões precisam de mudar de direção porque uma política climática business-as-usual iria levar a Terra a “um ponto em que não a vemos há muitos milhões de anos”, com resultados que podem ser impossíveis de reverter.

Imposto Global

O banco de investimentos diz que as mudanças climáticas “refletem uma falha no mercado global no sentido de que produtores e consumidores de emissões de CO2 não paguem pelos danos climáticos resultantes”. Para reverter isso, destaca a necessidade da criação de um imposto global sobre o carbono, mas alerta que tal “não acontecerá tão cedo” devido a preocupações com empregos e competitividade.

Sem nomear nenhuma organização, os autores dizem que mudanças estão apenas a acontecer a um nível “micro”, envolvendo alterações no comportamento de indivíduos, empresas e investidores, mas é improvável que isso seja suficiente sem o envolvimento das autoridades fiscais e financeiras.

No ano passado, uma análise compilada pela Rainforest Action Network (uma organização ambiental dos EUA) para o The Guardian, revelou que a JP Morgan forneceu mais financiamento ao sector de combustíveis fósseis entre 2016 e 2018, que qualquer outro banco do mundo.

Rupert Read, o professor responsável por divulgar o estudo ao The Guardian, comentou que o banco é “considerado por alguns o maior financiador de combustíveis fósseis do mundo” e que se os próprios investigadores da instituição dizem “que o futuro da raça humana está em jogo”, o próprio banco deve mudar de direção. “É bom que eles [os investigadores] estejam a dizer a verdade – não é bom que eles [o banco] continuem sendo um forte financiador de combustíveis fósseis”, disse ele. “Toda a gente tem de ter responsabilidade pela mudança, sejam eles gestores de ativos, investidores institucionais, executivos ou acionistas“, acrescentou. 

Índice

  • Rita Pinto

    A Rita Pinto é Editora-Chefe do Shifter. Estudou Jornalismo, Comunicação, Televisão e Cinema e está no Shifter desde o primeiro dia - passou pela SIC, pela Austrália, mas nunca se foi embora de verdade. Ajuda a pôr os pontos nos is e escreve sobre o mundo, sobretudo cultura e política.

Subscreve a newsletter e acompanha o que publicamos.

Eu concordo com os Termos & Condições *

Apoia o jornalismo e a reflexão a partir de 2€ e ajuda-nos a manter livres de publicidade e paywall.

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt