Devendra Banhart, o menino bonito da ‘freak folk’ que está de volta a Portugal

Procurar
Close this search box.
Imagem via Devendra Banhart/DR

Devendra Banhart, o menino bonito da ‘freak folk’ que está de volta a Portugal

Nunca foi tão importante parar para pensar – e o teu apoio pode fazer toda a diferença.

Num ambiente mediático demasiado rápido e confuso, o Shifter é uma publicação diferente. Se gostas do que fazemos subscreve a partir de 2€ e contribui para que tanto tu como quem não pode fazê-lo tenha acesso a conteúdo de qualidade e profundidade.

O teu contributo faz toda a diferença. Sabe mais aqui.

Ouvir Devendra Banhart é como namorar a sua música e vê-la despertar em nós a beleza das coisas, até das coisas mais tristes.

Ouvir Devendra Banhart é como namorar a sua música e vê-la despertar em nós a beleza das coisas, até das coisas mais tristes. É engraçado como esta sua ambiguidade é tão apaziguadora. Consegue falar-nos de assuntos difíceis ou dizer-nos coisas desagradáveis com o tom mais doce que a sua dor encontra.

A sua voz é delicada, murmurante. Ele apaixonante, nós apaixonados. E com a sua eterna reciprocidade, amar a música e ao som dela. Amar tudo: os dias, as árvores e as pessoas.

O seu universo é um lugar bonito onde se é sempre pelo menos um bocadinho feliz. E vale a pena a visita. Das florestas do freak folk, Devendra desbrava caminho por outras sonoridades. Ora mais latinas (apesar de nascido nos Estados Unidos, viveu durante a sua infância em Caracas, Venezuela, com a sua mãe), ora com um cheirinho a country, ou mais recentemente até com um pezinho na bossa nova, não estivesse ele envolvido no seio musical de Rodrigo Amarante e Caetano Veloso.

E mais do que se desdobrar nessa multiplicidade de influências e instrumentos, Devendra não se coíbe de fazer uso da sua criatividade e liberdade, redesenhando sem pudor o seu próprio mundo e concedendo, assim, às suas composições o cunho inconfundível que tentamos aqui descrever.

Podemos recomendar uma viagem por alguns dos primeiros álbuns como Rejoicing Hands e Nino Rojo (editados em 2004 por Michael Gira, dos Swans, que o havia “descoberto” dois anos antes), sem nunca deixar de mencionar o magnetizante What Will Be (2009), ou os mais recentes Mala (2013) e Ape In Pink Marble (2016).

Mas é o seu mais recente Ma (2019) – a sua pequena ode ao amor de mãe – que o traz de volta a Portugal, sete anos depois, desta vez com duas datas em Lisboa, no Capitólio a 16 e 17 de Fevereiro, e a 15 no Hard Club, no Porto.

Texto de Joana Canela

Índice

Subscreve a newsletter e acompanha o que publicamos.

Eu concordo com os Termos & Condições *

Apoia o jornalismo e a reflexão a partir de 2€ e ajuda-nos a manter livres de publicidade e paywall.

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt