Microsoft Japão testou semanas de 4 dias e produtividade aumentou

Foto via Microsoft

Microsoft Japão testou semanas de 4 dias e produtividade aumentou

A experiência, chamada "Work Life Choice Challenge", decorreu durante o mês de Agosto na sucursal da tecnológica americana no Japão e fez com que a empresa fechasse portas às quintas.

No Oriente, o excesso de trabalho é uma realidade há muito conhecida. Na China, Coreia do Sul ou Japão a loucura da produtividade subiu para níveis nunca antes vistos nos tempos modernos e as consequências tem sido várias. Já aqui demos conta da revolta dos programadores chineses por um horário de trabalho razoável e agora damos conta de notícias bem mais animadoras. Uma experiência da Microsoft Japão reduziu a semana de trabalho para apenas 4 dias e a produtividade cresceu.

A experiência, chamada “Work Life Choice Challenge”, decorreu durante o mês de Agosto na sucursal da tecnológica americana no Japão e fez com que a empresa fechasse portas às quintas. Dessa forma, os trabalhadores puderam durante todo o mês gozar de um fim-de-semana prolongado de 3 dias, enquanto trabalhavam apenas 4 dias por semana.

Nesse mesmo período a produtividade foi medida, claro, em função do lucro, e comparada com o mesmo período do ano passado. Os resultados foram surpreendentes, com a empresa a apontar para um crescimento de 39,9% no número de vendas por funcionário. Segundo a Microsoft, estes resultados devem-se sobretudo a uma redução no tempo gasto em reuniões e um aumento do número de conferências remotas como forma de ‘despachar trabalho’.

Para além dos ganhos a nível da produtividade dos trabalhadores, a empresa garante que há outras mais valias na adopção destas políticas, referindo ter reduzido 23.1% da electricidade utilizada e 58,7% no número de folhas impressas.

Avaliada a experiência, o braço japonês da Microsoft já pensa em repeti-la; de resto 92,1% dos trabalhadores diz ter gostado destas semanas de trabalho mais compactas. Afinal de contas este é um problema tão real e fustigante naquele país, que até tem direito a uma palavra própria: karoshi significa em japonês morto por excesso de trabalho.

Se chegaste até ao fim, esta mensagem é para ti

Num ambiente mediático que, por vezes, é demasiado rápido e confuso, o Shifter é uma publicação diferente e que se atreve a ir mais devagar, incentivando a reflexões profundas sobre o mundo à nossa volta.

Contudo, manter uma projecto como este exige recursos significativos. E actualmente as subscrições cobrem apenas uma pequena parte dos custos. Portanto, se gostaste do artigo que acabaste de ler, considera subscrever.

Ajuda-nos a continuar a promover o pensamento crítico e a expandir horizontes. Subscreve o Shifter e contribui para uma visão mais ampla e informada do mundo.

Índice

  • Shifter

    O Shifter é uma revista comunitária de pensamento interseccional. O Shifter é uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura, criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

Subscreve a newsletter e acompanha o que publicamos.

Eu concordo com os Termos & Condições *

Apoia o jornalismo e a reflexão a partir de 2€ e ajuda-nos a manter livres de publicidade e paywall.

Preenche as informações abaixo para garantires a tua presença no Workshop sobre I.A. e podermos adequar os conteúdos ao público presente.

No decorrer desta atividade, poderão ser captadas imagens e som para divulgação pela CML, entidade parceira ou promotora, nos respetivos meios de comunicação, como redes sociais e sites institucionais.

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt