A nova Lisboa é a Lisboa que queremos?

Pessoas, negócios e políticos alteram as cidades onde vivem, nasceram ou se instalam; mas alguns têm mais mais poder ou vão atrás de poderes de terceiros, podendo desvirtuar os espaços públicos ou as dinâmicas que espontaneamente surgem. Que nova Lisboa queremos?
5 minutos de leitura
Sabotage Lisboa
Foto de Luís Sousa, gentilmente cedida ao Shifter pelo Música Em DX (DR)

O Sabotage vai desaparecer tal como o conhecemose esperemos que não desapareça de vez. O senhorio do prédio devoluto onde o bar se instalou em 2013 – que é um grupo empresarial ligado ao investimento imobiliário (di-lo logo no nome, Mainside Investments) – quer transformar o empreendimento num hotel. Mais um. O bar localizado no Cais do Sodré não tem para onde ir… ainda. Esperemos que seja mesmo um “ainda“. Os donos estão à procura de uma solução mas dizem que as rendas estão “caríssimas”. O futuro é incerto para o Sabotage que se tornou “não só como uma referência nas digressões de bandas independentes de todo o mundo como para a nova música portuguesa, e tem, desde então, cumprido a promessa de manter uma agenda semanal regular de concertos de quinta a sábado”, como os próprios proprietários defendem num comunicado que enviaram a pedir ajuda de “jornalistas, músicos, editores, agentes, clientes, amigos do Sabotage e a todos os que nos lerem”.

Outros bares do Cais já sentiram o mesmo futuro incerto que agora assola os donos do Sabotage. O Oslo encerrou no final de 2018 ao fim de quase quatro décadas a servir música na Rua Cor-de-Rosa – também por força do grupo Mainside Investments. De saída da rua mais colorida do Cais estão também outros três ícones: o edifício, degrado, onde se encontram o Europa, o Tokyo e o Jamaica vai ser reabilitado para a instalação de um hotel. Sim, outro. Contudo, os três bares já têm casa assegurada pela Câmara de Lisboa junto ao rio, em pavilhões na vizinhança da discoteca B.Leza e do cada vez mais badalado Titanic Sur Mer. A intenção da autarquia é – segundo consta – criar uma correnteza de diversão nocturna à beira do Tejo, para o barulho ficar longe da habitação e da hotelaria – já essa parte da cidade adormece à noite; ruas vazias, sem vida, sem expressão, mas onde se pode dormir sossegado. Poderá o Sabotage mudar-se também para a beira-rio?

Aparentemente, a vida nocturna do Cais do Sodré, que se tornou uma das mais trendy da cidade – até os estrangeiros do Web Summit vão para lá todos os anos –, vai mesmo mudar. Mas não é isso que acontece às cidades? Mudam, transformam-se, adaptam-se. A pergunta que se impõe é: que Lisboa queremos? Será que as mudanças que estão previstas, por exemplo, no Cais – aparentemente forçadas por condicionantes externas mas pensadas por decisores políticos – vão dar certo a longo prazo? Conseguirá a economia turística, que reabilitou tantos edifícios pela zona histórica de Lisboa, cuidar deles no futuro e garantir que não passarão a ser novamente prédios devolutos quando acabar o boom turístico?

O turismo é um negócio de aparências. Importa parecer bonito e arranjado, naquele momento em que o negócio rende. Importa dar para aquela fotografia bonita para o Instagram ou tirar aquela selfie que tantas pessoas tiraram no mesmo sítio. Lisboa é uma cidade que encanta quem a visita, é aquela capital europeia que faltava descobrir (ainda que cada vez por menos pessoas). Mas o turismo, como tudo o que é de aparências, não tem pudor nem afecto, é uma indústria. Usa os espaços para tirar dele o dinheiro que quer, sem limites porque se os há são amplos. Assim não terá qualquer vergonha de largar Lisboa um dia, de a abandonar e de deixar os seus edifícios apodrecer novamente, se vir noutro sítio um investimento mais lucrativo.

Ainda assim é preciso sublinhar que as mudanças de Lisboa não estão só relacionadas com turismo, nem começam nesse sector. Num artigo recente publicado pelo Jornal Mapa, encontra-se um resumo do que se passa em Lisboa numa perspectiva mais alargada, a das cidades como uma espécie de start-ups:

“cidade neoliberal: planificação ajustada à lógica do mercado e da máxima extração de lucro, que cria oferta que não corresponde às necessidades nem se adapta à capacidade económica dos habitantes, e dá origem à expulsão de moradores e comércio tradicional”

Mas que nova Lisboa queremos? Pelas Avenidas Novas, tapumes aparecem e desaparecem, destapando edifícios renovados, alguns deles turísticos, onde antes existiam ruínas. Em Entrecampos, onde era a Feira Popular, irá nascer uma mega nova urbanização para classe média. O Monumental está fechado, com o seu cinema em “serviços mínimos”. Em Picoas há uma nova torre empresarial com um novo espaço verde em redor detida por um fundo de investimento alemão, e na Almirante de Reis não quiserem a torre para lá projectada, num terreno há muito árido. Moradores opuseram-se aos contentores do Martim Moniz e conseguiram alterar ligeiramente o projecto entregue a um privado. O Adamastor fechou e a droga agora vende-se no Cais, com a ajuda de Limes e GIRAs, num jogo bem amanhado entre quem contacta, quem vende e quem vigia. O miradouro de São Pedro de Alcântara tem agora um gradeamento a separar-nos de uma das vistas mais bonitas da cidade.

O Beato, até agora semi esquecido, vai ver nascer um mega pólo para empreendedores e empresários; não muito longe, no Cais da Matinha, completa-se o Parque das Nações com uma urbanização patrocinada pelo ex-BES com um amplo jardim à beira rio; do outro lado, entre o Terreiro do Paço e Santa Apolónia, também a frente ribeirinha vai ser renovada para se tornar uma zona pedonal agradável. A praça do Cais do Sodré está novinha em folha, o Campo das Cebolas ficou impecável. Na Praça de Espanha irá nascer um amplo parque urbano que servirá de extensão da Gulbenkian; em Carnide, está prevista uma das maiores áreas verdes da cidade.

Lisboa está a mudar. O Cais vai mudar. A Mainside Investments, como outras empresas do género, está a empurrar os bares para fazer dinheiro com o turismo… e a Pensão Amor (yup, a Mainside é dona deste bar). A Rua Cor-de-Rosa irá perder a cor? Ou à beira Tejo vai surgir uma nova dinâmica nocturna na cidade, melhor que a anterior? A hotelaria vai aguentar-se por mais tempo? E o turismo? Pessoas, negócios e políticos alteram as cidades onde vivem, nasceram ou se instalam; mas alguns têm mais mais poder ou vão atrás de poderes de terceiros, podendo desvirtuar os espaços públicos ou as dinâmicas que espontaneamente surgem. Que nova Lisboa queremos? Este é um resumo da que temos; agora depende da participação cívica de todos os que nela habitam e do pensamento conjunto de alternativas pensar naquela que queremos.

Foto de capa gentilmente cedida pelo Luís Sousa, do Música Em DX. Espreita aqui o seu texto sobre o Sabotage Club.

Partilha nas redes sociais:

Sugestões de Leitura

Estamos a criar uma revista de reflexão e crítica sobre tecnologia, sociedade e cultura.

Uma revista criada em comunidade e apoiada por quem a lê.

Queremos fazer do Shifter um espaço de publicação para pensamento colectivo e comunitário, aberto a sugestões e diálogos. Um ponto de encontro entre diferentes actores da sociedade, da academia ao activismo, da cultura à política.

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt