Apple dá aos utilizadores do Linux acesso ao Apple Music

Tecnológica lançou uma versão web do Apple Music, disponível em todas as plataformas.

Um dos “riscos” de optar por software livre é podermos perder o acesso a alguns serviços proprietários. Se existem alternativas livres a apps como o Word, o Photoshop ou o Final Cut, que são suficientemente robustas para serem verdadeiros substitutos, já no que toca a serviços por subscrição o cenário não é tão linear. Numa era em que cada vez mais se assina em vez de comprar, há aqui um problema que pode criar entraves à adopção de plataformas livres como o Linux, cimentando ecossistemas comerciais.

Por exemplo, o Google Drive não tem uma opção oficial para utilizadores de Ubuntu, uma das “formas” do Linux, mas é possível contornar isso. Com o Apple Music, a situação era semelhante, dado que o iTunes nunca chegou a ser lançado para a plataforma do pinguim. Também não seria agora que a Apple o faria, pois o iTunes vai desaparecer do macOS na próxima versão deste (que deverá ser disponibilizada dentro de semanas).

Assim, a tecnológica decidiu apostar numa versão web do Apple Music – disponível para já em “modo beta” –, e que significa que, por fim, utilizadores de Linux e também do Chrome OS podem aceder ao serviço de streaming de música da maçã. A versão web do Apple Music dá ainda a quem usa Windows uma alternativa ao iTunes; o site integra todas as funcionalidades esperadas do serviço e também funciona em Android, apesar de existir uma aplicação oficial para esta plataforma.

A versão web do Apple Music está ainda em “beta”, o que significa que ainda não está 100% completa, mas serve em pleno o objectivo de ouvir música. No futuro, a Apple conta permitir a subscrição do serviço directamente do site. Com este lançamento, a empresa coloca-se mais perto do Spotify, que existe praticamente em todas as plataformas, incluindo Linux, somando mais de 100 milhões de assinantes (o Apple Music conta com cerca de 60 milhões de subscritores).

Anteriormente, note-se, um programador já tinha desenvolvido uma versão não oficial do Apple Music para web, cujo código disponibilizou em open source. Esse webapp corria em Linux e era uma das alternativas que os utilizadores desta plataforma tinham encontrado para aceder ao serviço de streaming de música.

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O Shifter depende de ti 

O Shifter faz jornalismo com as pessoas que dele querem fazer parte. Estamos a criar um espaço de publicação para pensamento colectivo e comunitário, aberto a sugestões e diálogos. Procuramos estabelecer pontes entre diferentes actores da sociedade, da academia ao activismo, da cultura à política.

Se puderes apoiar-nos nesta missão, subscreve a partir de 2€ por mês ou faz um donativo único:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Artigos Relacionados

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Em teste

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt