Fim de ciclo na Grécia: Syriza de volta à oposição, conservadores de volta ao poder

O líder do Syriza disse num discurso com transmissão televisiva que Kyriakos Mitsotakis, o próximo Primeiro-Ministro grego, encontrará um país sem qualquer relação com aquele que Tsipras herdara em 2015, à beira da falência e com desemprego nos 28%, salientando por exemplo que agora a Grécia goza de taxas de juro historicamente baixas.
4 minutos de leitura
Kyriakos Mitsotakis, o novo Primeiro-Ministro grego (foto de EPP via Flickr)

Se há partido que nos últimos anos se tornou numa espécie de símbolo para os tempos que a União Europeia foi vivendo, esse partido foi o Syriza. Encabecado por Alex Tsipras, secundado, a princípio, por Yannis Varoufakis, o pequeno partido grego vindo da ala esquerda foi protagonista de algumas das mais debatidas reuniões na cúpula da burocracia europeísta e desafiador do poder instituído num braço de ferro que acabaria por perder. Depois de em 2015 ter surpreendentemente chegado ao poder, completando uma trajectória ascendente que se iniciara em 2012, o Syriza teve este domingo a sua primeira grande derrota nas urnas, que se começara a adivinhar na derrota política de há quatro anos.

As eleições gerais em terras helénicas do último fim-de-semana devolveram o poder ao partido Nova Democracia, que em Janeiro de 2015 tinha sido arredado eleitoralmente como penalização pela entrada da Grécia na crise e por suspeitas envolvimento em casos de corrupção, e fecham o ciclo de perto de uma década sem Governos de maioria absoluta.

Desde 2012 até 2019 os gregos expressaram nas urnas a sua rejeição ao partidos políticos mais tradicionalistas — à direita, o Nova Democracia (ND) e, à esquerda, o partido socialista grego, PASOK — mas nestas eleições os sinais são inversos. Para se medir a inversão de ciclo marcada por estas eleições, é preciso perceber que o último partido a ter maioria absoluta tinha sido o PASOK, entretanto reduzido a um lugar na coligação Movimento Para A Mudança, que obteve nestas eleições o terceiro lugar, a uma distância assinalável de ND e Syriza.

O Nova Democracia chega à posição maioritária de formação de Governo conquistando um total de 158 assentos parlamentares, uma maioria absoluta no universo de 300 lugares, quase o dobro do número de assentos conquistados pelo Syriza, 86, e mais 136 lugares do que o terceiro, Movimento Para A Mudança, com apenas 22.

O resultado é visto em todos os quadrantes como uma forte penalização para o Syriza; apesar de nos últimos quatro anos, o Governo de Tsipras ter conseguido uma performance política com alguns pontos positivos, como a descida do desemprego de 28 para 19% ou a saída pacífica do programa de assistência financeira iniciado em 2010, o partido falhou às suas ambiciosas promessas pelo que acabou penalizado. Recorde-se que a chegada do Syriza ao poder surgiu num contesto de confronto com as políticas da União Europeia; o partido foi promotor do referendo em que 61% dos gregos votaram contra as condições impostas pela troika composta por União Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional; o partido ficara em 2º em 2012, surpreendera nas eleições europeias de 2014, ficando à frente do partido no poder, Nova Democracia, e ganhara as legislativas em 2015 num resultado político que foi interpretado como um voto de confiança dos gregos num governo que marchasse contra a União.

Em declarações após o reconhecimento dos resultados, Tsipras congratulou o seu opositor e sublinhou os pontos positivos do seu governo apesar da derrota. O líder do Syriza disse num discurso com transmissão televisiva que Kyriakos Mitsotakis, o próximo Primeiro-Ministro grego, encontrará um país sem qualquer relação com aquele que Tsipras herdara em 2015, à beira da falência e com desemprego nos 28%, salientando por exemplo que agora a Grécia goza de taxas de juro historicamente baixas. De resto, em reacção à vitória do Nova Democracia e na expectativa de um Governo mais virado para as empresas e os investidores, o mercado reforçou a tendência de baixo juros para a Grécia atingido um novo mínimo histórico de 2%.

Estas eleições ficaram marcadas por outros acontecimentos que revelam a mudança de perfil político na Grécia, dos 6 partidos mais votados apenas 3 eram repetentes em eleições. As eleições de 2019 marcaram a estreia da coligação Movimento Para A Mudança, como solução de centro-esquerda, do partido MeRA25, de Yannis Varoufakis, mais à esquerda, e da Solução Grega, outro partido de direita fundado em 2016 pelo antigo deputado Kyriakos Velopoulos.

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • O João Gabriel Ribeiro é Co-Fundador e Director do Shifter. Assume-se como auto-didacta obsessivo e procura as raízes de outros temas de interesse como design, tecnologia e novos media.

O Shifter depende de ti 

O Shifter faz jornalismo com as pessoas que dele querem fazer parte. Estamos a criar um espaço de publicação para pensamento colectivo e comunitário, aberto a sugestões e diálogos. Procuramos estabelecer pontes entre diferentes actores da sociedade, da academia ao activismo, da cultura à política.

Se puderes apoiar-nos nesta missão, subscreve a partir de 2€ por mês ou faz um donativo único:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Artigos Relacionados

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Em teste

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt