Procurar

Bárbara Virgínia: a primeira realizadora portuguesa

Bárbara Virgínia: a primeira realizadora portuguesa

A democracia precisa de quem pare para pensar.

Num ambiente mediático demasiado rápido e confuso, onde a reação imediata marca a ordem dos dias, o Shifter é uma publicação diferente. Se gostas do que fazemos subscreve a partir de 2€ e contribui para que tanto tu como quem não pode fazê-lo tenha acesso a conteúdo de qualidade e profundidade.

O teu contributo faz toda a diferença. Sabe mais aqui.

Neste Dia da Mulher recordamos a primeira mulher a realizar um filme em Portugal em pleno Estado Novo.

A carreira da Bárbara Virgínia não poderia ter começado melhor. Em 1946, quando tinha apenas 22 anos, tornou-se a primeira mulher a realizar uma longa-metragem de ficção em Portugal e na primeira mulher a competir no recém-criado Festival de Cinema de Cannes.

O filme em questão chamava-se Três Dias Sem Deus e foi um dos primeiro exemplos do cinema de género feito em Portugal, muito diferente da comédia portuguesa que enchia as salas nacionais nos anos 40 do século XX.

O filme foi bem recebido, tanto em Portugal como em França e Bárbara Vírginia era tida como uma grande promessa do cinema nacional. Mas então, porque é que a Bárbara Virgínia não é mais conhecida em Portugal?

Neste vídeo fomos tentar saber mais sobre a vida e a obra da primeira realizadora portuguesa.

(Nota: este vídeo é da autoria de J.B. Martins e foi produzido para o canal de cinema Cineblog no YouTube, e é aqui partilhado com a devida autorização.)

Índice

  • Cineblog

    Canal de cinema a 24fps que não necessita de óculos 3D. O CINEBLOG nasceu como um blogue de cinema português em 2003, criado por J.B.Martins, mas deu recentemente o salto para o YouTube. É um projeto pessoal totalmente independente movido apenas pela paixão pelo cinema, que pretende pensar e refletir sobre a sétima arte.

Apoia o jornalismo e a reflexão a partir de 2€ e ajuda-nos a manter livres de publicidade e paywall.