WWF junta-se ao Prado para mostrar o que muda se a crise climática continuar

Não podia vir em melhor altura a iniciativa da divisão espanhola da World Wildlife Fund em parceira com o Museu do Prado, de Madrid.
WWF España / Museu do Prado

Por esta altura decorre em Madrid a COP25, uma importante cimeira de onde se espera que possam sair as bases de um novo acordo global para uma mudança no combate às alterações climáticas. Assim, não podia vir em melhor altura a iniciativa da divisão espanhola da World Wildlife Fund em parceira com o Museu do Prado, de Madrid.

Numa série de imagens intituladas “+1,5ºC Lo Cambia Todo” (+1,5ºC Muda Tudo), quatro das obras mais conceituadas do museu foram digitalmente modificadas para alertar para os perigos inerentes às alterações climáticas – sejam as secas em alguns países ou as cheias noutros, os refugiados provocados por alterações climáticas ou a morte de espécies por poluição dos cursos de água.

As obras escolhidas foram Felipe IV a Cavalo, de Diego Velásquez; Os Meninos na Praia, de Joaquín Sorolla; O Guarda-Sol, de Goya; ou a A Travessia do Estige, de Patinir; e as modificações que lhes foram feitas abordam de um modo geral o que pode vir a acontecer em diversas partes do globo se continuarmos neste ritmo de aquecimento global.

Neste site podes confrontar interactivamente as imagens originais com as trabalhadas e perceber o que pode mudar se nada mudar. As imagens foram também impressas e espalhadas em outdoors na cidade de Madrid por onde nesta altura e até ao dia 13 se debaterá — nas ruas e na cimeira — a abordagem perante este flagelo.

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Contribui para o Shifter para mais artigos como este:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Artigos Relacionados

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Em teste

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt