“Trump bebé” voa nos céus de Londres para receber Donald Trump

O Baby Trump ‘fragile as president’s ego’ é uma cuidadosa caricatura do presidente norte-americano onde nada foi deixado ao acaso.

Via Twitter/ CBS

Trump estará em visita oficial ao Reino Unido durante os próximos dias, incluindo o fim de semana. Para o receber com pompa e circunstância um grupo de activistas decidiu criar o Baby Trump, uma caricatura insuflável do presidente norte-americano que deverá voar pelo céu dos locais onde o POTUS for passando. 

O Baby Trump ‘fragile as president’s ego’ é uma cuidadosa caricatura do presidente norte-americano onde nada foi deixado ao acaso. A cara de birra e a fralda sempre posta são uma forma de representar a sua infantilidade e falta de preparação em alguns momentos a que o cago obriga enquanto que, na sua mão direita carrega um smartphone — imaginamos — sempre pronto a twittar. 

O objectivo do bebé é acompanhar trump em todos os momentos da sua passagem, tendo para isso que fazer cumprir a sua vontade face a uma série de constragimentos legais. O primeiro ponto de descolagem, de resto, é dos mais simbólicos. Esta sexta feira o Baby Trump levantará voo perto do parlamento britânico, tendo para isso conseguido a autorização expressa de Sadiq Khan, presidente da camara de londres.

Para já,  do que é publico do cruzamento de agendas entre os Trumps, sabe-se que a polícia escocesa deverá impedir o balão de levantar voo no campo de golfe onde Trump marcará presença. De resto esta iniciativa tem recebido apoio popular através de sucessivas petições criadas no change.org como tentativas de pressionar as altas instâncias responsáveis por dar autorização ao voo. 

A passagem de Trump pelo Reino Unido está a ser amplamente polémica com vários partidos, por exemplo os Verdes e os Trabalhistas Escoseses a oporem-se severamente à presença do Presidente dos Estados Unidos que dizem ser absolutamente contrário à herança cultural, social e política daquela região. 

“Não podemos estender a nossa passadeira vermelha a um presidente dos Estados Unidos que trata os seres humanos desta forma” lia-se numa carta conjunta assinada por Richard Leonard e Patrick Harvie, líderes dos respectivos partidos.