UXLx: a história de uma conferência quase secreta

Nas últimas nove edições, a conferência UXLx tem vindo a crescer e hoje é considerada por alguns dos oradores e participantes de conferências de UX como uma das melhores do mundo.

UXLx Lisboa

É mais uma quarta-feira no Parque das Nações. Dentro do espaço da FIL, o Bruno Figueiredo e a equipa estão a fazer os preparativos finais enquanto os participantes já se vão acumulando à entrada. Estamos em 2010 e assim que o relógio marca as 8 horas abrem as portas da UXLx.

Esta pontualidade tornou-se uma das várias marcas da conferência que reúne todos os anos profissionais de User Experience (UX) em Lisboa, para workshops e apresentações de oradores de renome. O Bruno Figueiredo é o fundador desta conferência, que conta com a participação da Xperienz, uma empresa portuguesa de design e pesquisa de UX.

A UX ocupa-se de compreender todos os aspectos de interacção com os canais digitais através de técnicas de várias disciplinas. A Sociologia e a Psicologia têm, assim, um papel complementar ao Design Gráfico, guiando a construção de processos de trabalho e de interacção entre pessoas e entre pessoas e computadores.

Esta primeira edição contou com 17 oradores vindos de 5 países diferentes, com uma grande participação de oradores dos Estados Unidos. Portugal esteve representado por Manuel Lima, que hoje é UX Design Manager na Google e que foi orador numa TED Talk.

Nesta altura, a UX tinha muito a percorrer para ganhar o espaço que merece dentro das empresas e junto dos decisores. As redes sociais estavam a dar passos cada vez mais largos e já havia um investimento forte nas start-ups.

Desde então, a conferência UXLx tem vindo a crescer e hoje é considerada por alguns dos oradores e participantes de conferências de UX como uma das melhores do mundo. Os argumentos que foram dados giravam todos em torno dos mesmos elementos, os cuidados que a equipa tem a organizar o evento, o nível de excelência dos oradores e a diversidade dos participantes.

A conferência tem um número elevado de workshops disponíveis, em 2018, três dos quatro dias foram dedicados a sessões práticas.

Os temas abordados não se limitam à prática da disciplina, ou às técnicas mais recentes para compreender os públicos. As apresentações finais tendem a um discurso mais lato e a fazer a ponte entre a UX e o impacto que a tecnologia tem.

A UXLx 2018 (de 22 a 25 de Maio) e do ano anterior (de 23 a 25 de Maio) foram a prova disso. Essas duas edições ficaram pautadas por uma chamada à acção na defesa do futuro que está a ser construído e para o perigo da perda de privacidade ou foco excessivo nas métricas de performance e rendimento.

Em 2016 e 2017, houve dois oradores que se destacaram pela mensagem que deixaram:

  • Alan Cooper: durante os 55 minutos da apresentação final, o pioneiro da programação fez uma retrospectiva a que chamou RanchStories. A audiência ficou agarrada a cada palavra, entusiasmou-se com os detalhes e fechou a sessão aplaudindo de pé. Cada parte da apresentação alertava para os perigos da industrialização da informática. No sentido em que, se os programadores se tornam meros executantes, perdem a liberdade de guiar o produto final e de o tornar útil e ético na relação com as pessoas.
  • Brenda Laurel: “this is the way the world ends”. A Brenda trouxe à apresentação final da conferência um tema que encadeava com o alerta do seu antecessor. A diferença é que, ao olhar para o que levou ao declínio de civilizações e cidades, conseguiu identificar os princípios de sobrevivência que deveriam ser seguidos para evitar o desastre. A apresentação finalizou com ideias que podem ser aplicadas à ciência e à sociedade para assegurar um futuro melhor. Coisas como a partilha de ideias, o incentivo à exploração e até a necessidade de celebrar as vitórias como as derrotas. A principal delas, é que devemos aceitar a nossa responsabilidade pela forma como moldamos o mundo à nossa volta.

Alan fez o alerta, a Brenda complementou com a procura de uma solução.

À vista de todos, mas fora do holofote

“Amanhã começa a nona edição do UXLx, um dos eventos de topo para UX na Europa. 500 pessoas de 40 países vão estar em Lisboa. Dúzias de oradores de renome internacional. E nem um pio da imprensa portuguesa. Se eu fosse estrangeiro e tivesse começado o evento lá fora, não me largavam.” — Bruno Figueiredo

Quando questionado sobre o resultado desta última edição, Bruno referiu que a participação de empresas portuguesas é cada vez menor. Ainda assim, a edição deste ano esgotou. Passada uma semana, alguns dos participantes continuam a partilhar apontamentos, a consolidar o que aprenderam e a manter o diálogo vivo no Twitter (pesquisem por #uxlx) e nos respectivos blogues.

Os portugueses presentes foram poucos e maioritariamente de agências de marketing. Destaca-se, no entanto, a participação do LabX, o laboratório de experimentação para a inovação no sector público, que foi convidada pela organização do evento. O ISCTE também esteve presente, representado pelo Head of Development, que tem acompanhado estes temas para guiar o seu departamento.

Os participantes portugueses dividiram-se principalmente por programadores e designers gráficos. Nos participantes de outros países os cargos incluíam Consultor de UX, Marketing de Conteúdo, Analytics e Business Intelligence, Researcher, Product Owner, entre muitos mais. A disparidade de perfis parece indicar que em Portugal a disciplina de UX ainda não amadureceu e, por isso, não tem a participação de profissionais de outras áreas das empresas.

O valor dos bilhetes, entre 500 e 1500 euros, e o desconhecimento da existência da conferência podem ser razões que expliquem a aparente falta de interesse por parte dos portugueses. Outras razões prendem-se com o facto de UX ainda ser uma disciplina com pouca expressão em Portugal.

Apesar da falta de apoios à UXLx, não se pode dizer que o Estado esteja alheio aos temas da economia digital. Nos últimos anos vimos iniciativas como a Startup Lisboa, o Web Summit ou a Beta-i conquistar a atenção dos meios de comunicação e destacar o valor de Lisboa para estas entidades. De todas, a Web Summit foi a que gerou mais entusiasmo, especialmente na primeira edição que realizou cá.

O Web Summit chegou a contar com o apoio de um grupo de trabalho do Governo português. E segundo o Observador, a cimeira teve um impacto de 300 milhões em várias áreas como a hotelaria e transportes. O artigo não inclui o retorno que poderá vir do contacto entre as start-ups e os investidores que também participaram.

UXLx 2019

Com ou sem apoios externos, a edição de 2019 está a ser preparada pela equipa da Xperienz e vai ter o nome UXLx X para comemorar os 10 anos de existência.

Até ao momento não existe informação no site UX-Lx.com com datas para o evento ou informação de bilhetes “early bird”. Existe no entanto uma newsletter disponível para receber a informação das próximas edições.

Olhando para as edições anteriores, podemos esperar o mesmo género de oradores internacionais, com 4 dias de workshops e apresentações.

Texto de Bruno Amaral; fotos de UXLx