Universidade do Minho é a primeira a integrar a rede de computação quântica da IBM

A instituição minhota passará a trabalhar directamente com a IBM no sentido de explorar novas aplicações práticas para a computação quântica para o mundo dos negócios e da ciência.

Universidade do Minho IBM

A IBM anuncia esta quarta-feira, numa cerimónia em Braga, que a Universidade do Minho é a primeira entidade portuguesa a integrar a IBM Q Network, rede de computação quântica da IBM, como parceiro académico. A Universidade, através do QuantaLab, um consórcio português de investigação criado em 2016 do qual é membro fundador juntamente com o Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), terá acesso directo aos sistemas IBM Q, proporcionando novas ferramentas a investigadores, docentes e estudantes das instituições integrantes do consórcio, com o objectivo de fomentar a investigação em computação quântica em colaboração com cientistas e engenheiros da IBM.

Nos termos do acordo, a Universidade do Minho e os membros do QuantaLab, do qual fazem ainda parte o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) e o Centro de Engenharia e Desenvolvimento (CEiiA), têm como propósito investigar como um computador quântico pode ser usado para fazer simulações e testes nas áreas da física da matéria condensada, da ciência dos materiais, da optimização de processos e da cibersegurança.

“O acesso ao sistema IBM Q coloca a Universidade do Minho na vanguarda do acesso a máquinas de computação quântica com forte impacto na formação de estudantes de graduação e de pós-graduação em Física, Engenharia Informática e Matemática e potencia a investigação avançada em sistemas quânticos, como seja a área dos materiais quânticos e de novos paradigmas de computação”, refere Nuno Peres, professor e investigador da Universidade do Minho, em comunicado.

“Este acordo com a IBM é de relevância estratégica para os membros do QuantaLab. Possibilitará um fortalecimento adicional do ecossistema de alta tecnologia na região, além de oferecer amplas oportunidades para que a nova geração de investigadores e cientistas explore a Computação Quântica, que por sua vez abrirá caminho para a Era Quântica em muitas aplicações e domínios diferentes”, sublinha também Lars Montelius, director-geral do INL.

A IBM Q Network é uma rede colaborativa a nível mundial, da qual fazem parte as principais empresas da Fortune 500, start-ups, instituições académicas e laboratórios de investigação que trabalham directamente com a IBM no sentido de explorar novas aplicações práticas para a computação quântica para o mundo dos negócios e da ciência.

Foi criada para disponibilizar às organizações que dela fazem parte conhecimentos especializados em quantum, recursos e acesso via nuvem aos mais avançados sistemas de computação quântica de escala universal e tecnologia de ponta, começando com o sistema comercial 20 qubit da IBM, seguido por um sistema de 50 qubit que está actualmente em desenvolvimento e será disponibilizado para a Rede como a próxima geração de sistemas IBM Q.

Como membro do QuantaLab, a Universidade do Minho é o mais recente parceiro a aderir à IBM Q Network, que inclui a Samsung, a JPMorgan Chase, a Daimler AG, e a Java Specification Request (JSR). É também a quinta universidade a integrar esta rede, que actualmente inclui Q Hubs da IBM na Universidade de Oxford (Reino Unido), na Universidade Keio (Japão), na Universidade de Melbourne (Austrália), no Oak Ridge National Laboratory (Estados Unidos), e mais recentemente na Universidade Estatal do Norte da Carolina. Estes hubs são centros regionais de educação, investigação e desenvolvimento em computação quântica que promovem um ecossistema crescente com base no software quântico de código aberto e nas ferramentas de desenvolvimento da IBM.

“O papel da computação quântica na construção do futuro das TI requer um ecossistema forte, e isso começa com a academia”, refere Noam Zakay, da divisão IBM Research e responsável pelo desenvolvimento da IBM Q Network na Europa. “Estamos muito satisfeitos com esta parceria e em começar a trabalhar com a Universidade do Minho e o QuantaLab à medida que construímos uma grande rede de conhecimento em toda a Europa.”

Fotos de Connie Zhou via IBM Research