A tipografia da Adidas é para o Mundial, mas não é legível a todos

A fonte utilizada pela Adidas nos equipamentos do Mundial de 2018 apresenta um estilo diferente do habitual e a controvérsia instalou-se. Afinal, é legível ou não? 

Depois do furor que a apresentação do equipamento da selecção da Nigéria fez por toda a internet, voltamos a falar dos equipamentos do Mundial de futebol de 2018, desta vez por um motivo diferente. A Adidas, patrocinadora de várias equipas do Mundial na Rússia, tem vindo a ser criticada pela tipografia utilizada nas camisolas dos equipamentos deste ano.

Tudo começou com uma fotografia da camisola do jogador Julian Darxler publicada no Twitter, que acabou por servir de pontapé de saída para toda a onda de críticas e comentários sobre a tipografia escolhida pela marca em questão. Depois desta, foram várias as imagens publicadas de equipamentos e asobre as quais os internautas criticaram a dificuldade de leitura que esta fonte apresenta.

Embora a questão possa parecer lateral, mostra-nos a importância da legibilidade numa disciplina como a tipografia. De resto, até segundo os regulamentos da FIFA, as tipografias utilizadas nos equipamentos dos jogadores devem estar de acordo com um conjunto de vários parâmetros, que vão desde as dimensões, até à elegância, visibilidade e, não menos importante, legibilidade. Assim, são vários os sites especializados que põem em causa o cumprimento deste último critério, na medida em que também eles concordam com a complexidade exigida na leitura e percepção de alguns nomes e números dos jogadores.

A tipografia utilizada pela Adidas no Mundial deste ano é visivelmente diferente do estilo habitual, apresentando fortes inspirações no alfabeto cirílico e na estética soviética. Esta fonte pode ser considerada relativamente pesada – os caracteres apresentam uma forma quadrada, criando ângulos constantes de 90 graus, exceptuando as letras X, V e Z. A dificuldade de leitura tão criticada deve-se às bordas das próprias letras que, muitas vezes, impossibilitam distinguir certos caracteres, como por exemplo o X, o H, o R, ou, o caso mais mencionado, o Z do 2.

No Mundial deste ano, a Adidas é a marca com mais selecções associadas, tendo patrocinado o equipamento de 12 das 32 equipas participantes. Em segundo lugar, segue-se a Nike ao patrocinar 10 selecções.