Recordas-te do jogo em que podes ganhar dinheiro? O Facebook quer copiá-lo

O Facebook continua a copiar forte e feio o resto da Internet.

O Facebook continua atento ao que se passa na web e a tentar trazer isso para a sua plataforma. O HQ Trivia tomou de assalto a internet no início deste ano: um jogo no telemóvel em que respondes a perguntas e podes ganhar dinheiro real, existindo um apresentador para te guiar ao longo do questionário. A ideia – no mínimo, original – vai ser agora aproveitada pelo gigante azul.

A empresa de Mark Zuckerberg não vai criar uma cópia exacta do HQ Trivia, mas antes trazer esse conceito para um produto já existente, o Facebook Live. Os criadores vão poder introduzir perguntas nas suas transmissões em directo mas não terão necessariamente de fazer quizzes ao estilo do HQ Trivia – poderão promover coisas mais simples como uma pergunta para que, por exemplo, a audiência dê uma pequena opinião ou escolha o desenrolar de um próximo vídeo.

No caso das transmissões à HQ Trivia, as pessoas que estiverem a assistir serão convidadas a responder a várias perguntas e serão eliminadas se derem uma resposta errada, podendo existir um prémio final – monetário – para quem responder correctamente a tudo. O Facebook estabeleceu parcerias com alguns criadores para lançar a sua versão do “HQ Trivia” – como o Business Insider e o BuzzFeed News, que vão promover alguns destes quizzes – e disponibilizou um formulário onde interessados poderão tentar obter acesso à nova ferramenta.

Ao TechCrunch, Fidji Simo, responsável pelo vídeo no Facebook, evitou falar no nome “HQ Trivia”, dizendo que “fazem parte de uma tendência mais ampla de tornar o conteúdo interactivo”, existindo mais que um player a fazê-lo. De referir que curiosamente não é a primeira vez que o Facebook copia uma funcionalidade de outra parte da web e as vozes da empresa evitam mencionar o seu nome (aconteceu, por exemplo, com o Instagram/Snapchat).

Facebook continua a chamar os criadores

Além do seu próprio “HQ Trivia”, o Facebook apresentou outras ferramentas para dar mais motivos aos criadores de conteúdos para apostarem na sua plataforma em vez de irem para concorrentes como o YouTube ou o Twitch:

  • o Brand Collabs Manager é um novo serviço, gratuito, no qual as marcas se podem registar para encontrar criadores que façam conteúdo patrocinado e que lhes sejam relevantes consoante a demografia e a audiências. Através do Brand Collabs Manager, os anunciantes poderão saber mais sobre os criadores e ver conteúdos patrocinados que fizeram no passado;
  • mais criadores vão poder criar subscrições nas suas páginas, permitindo aos seus seguidores receberem, por 4,99 dólares/mês (valor fixo), conteúdo exclusivo e um badge a destacar o apoio. Mais criadores vão também poder colocar intervalos publicitários nos seus vídeos. Estas duas opções serão lançadas mais gradualmente;
  • o Rights Manager vai permitir aos criadores evitar que o seu conteúdo seja partilhado indevidamente noutros perfis ou páginas de Facebook. Os interessados podem registar-se aqui;
  • as páginas de Facebook vão poder activar um novo template que dá um foco especial ao conteúdo vídeo e à comunidade;
  • a app Facebook Creator, anunciada em Novembro de 2017, tem finalmente uma versão para Android. Contudo, por algum motivo que desconhecemos, funciona apenas para gerir páginas e não perfis, ao contrário da versão iOS;
  • os seguidores mais activos de um determinado criador vão poder receber o estatuto de “Top Fan” e ganhar um badge especial, permitindo a esse criador identificar quem são os seus fãs mais leais e, assim, dar-lhes mais atenção;
  • qualquer criador vai poder criar conteúdo para o Facebook Watch, a plataforma de vídeo do Facebook que concorre com o YouTube e que está disponível apenas nos EUA;
  • um novo programa de apoio a criadores, de acesso limitado e intitulado Facebook for Creators Launchpad.
O Brand Collabs Manager
Apoiar criadores no Facebook

Todos os utilizadores do Facebook podem registar-se como criadores através deste site, ganhando acesso a algumas funcionalidades, mas não a todas. O Facebook é conhecido por ser pouco “democrático”, privilegiando os players mais proeminentes em detrimento dos mais pequenos.