Reddit, Game Of Thrones, Medium e muito mais. São os primeiros 50 para o Web Summit

A lista já permite perceber que a mistura dos anos anteriores é para manter, abrangendo temas como tecnologia, política, moda e entretenimento, e começar a ter uma ideia do que esperar para Novembro.

Da esquerda para a direita: Alexis Ohanian, co-fundador do Reddit; a actriz de Game of Thrones Massie Wiliams; e Evan Williams, fundador e CEO do Medium e um dos co-fundadores do Twitter

Já se sabia que em 2018 a dose de Web Summit era repetir e, agora, começa a saber-se o menu de degustação intelectual a que teremos acesso privilegiados no próximo mês de Novembro. A lista pode não trazer os grandes nomes que esperamos (um pouco à imagem do que acontece com cartazes de festivais), mas traz uma amostra de oradores em estreia no nosso país, naquela que poderá ser a última edição do Web Summit por cá.

A edição de 2018 decorrerá entre 5 e 8 de Novembro no local sobejamente conhecido, entre o Altice Arena e a FIL, em Lisboa. O Web Summit chegou à capital portuguesa em 2016 para três edições, podendo ficar em Lisboa por mais dois anos (2019 e 2020). A organização está a estudar várias cidades e ainda não tomou uma decisão.

Decididos, sim, estão os primeiros 50 oradores de uma lista de mais de 1200. A amostra já permite perceber que a mistura dos anos anteriores é para manter, abrangendo temas como tecnologia, política, moda e entretenimento, e começar a ter uma ideia do que esperar para Novembro.

Entre os 50 nomes revelados, constam John Collision, fundador do sistema de pagamentos Stripe, Young Sohn, presidente da Samsung Electronics, Evan Williams, fundador e CEO do Medium e um dos co-fundadores do Twitter, Alexis Ohanian, co-fundador do Reddit, Zhang Yanqi, co-fundador da Ofo, a actriz de Game of Thrones Maisie Williams, entre outros, que podes consultar aqui.

Para este ano, a 9ª edição desta megalómana conferência tecnológica é esperado um número de visitantes semelhante ao dos anos anteriores na ordem das 70 mil pessoas. Segundo dados do Governo, fornecidos pela organização, um número que faz com que o Web Summi tenha um impacto económico na ordem dos 300 milhões de euros, diluído pelo local, a cidade e o país.