As letrinhas pequeninas do Nónio, o novo monstro da comunicação social portuguesa

Parece que, por enquanto, o melhor é ficar de fora.

70 órgãos de comunicação social portugueses juntaram-se no Nónio, um sistema de registo que supostamente permite ao utilizador registar-se uma única vez e aceder a conteúdos personalizados nos diferentes sites. Uma promessa que parece boa se não tivesse outra promessa subjacente: com o Nónio, os órgãos de comunicação social querem recolher o máximo de dados possível dos leitores com vista à venda de publicidade mais segmentada – aka “melhor publicidade”. Se isto te soa familiar é porque é o mesmo modelo de negócio de uma Google ou de um Facebook, apenas restrito à escala local.

A Google e o Facebook prestam serviços que não são considerados bens públicos, apesar de terem responsabilidade pública. A internet, sim, é um bem público e deve ser preservada como um meio neutro e descentralizado. Também a comunicação social – vulgo jornalismo – é um bem público, necessário ao bom funcionamento da sociedade tal como ela está montada hoje. A informação ajuda-nos a tomar decisões, a formar opinião e a encontrar outras perspectivas.

O sistema de acesso e registo do Nónio na TVI24

É por isso que existe o serviço público de rádio e televisão – em Portugal, representado pela RTP –, que entretanto evoluiu para os meios digitais também. Todos os restantes meios, incluindo os 70 que integram o Nónio, podem não ser públicos (no sentido em que pertencem a poderes privados), mas ao fazer jornalismo estão a fazer serviço público, devendo respeitar não só o compromisso com os reguladores (a ERC), mas acima de tudo com a sua audiência. No fundo, o jornalismo é um exercício nobre de transparência com quem o consome. Isto passa não só por esclarecer quem são os “accionistas” (ou donos da informação), mas também por esclarecer o esquema de monetização.

A equipa do browser Brave, por exemplo, propõe criar um sistema de publicidade baseado em blockchain, sem intermediários e onde leitores e jornalistas são recompensados. O Nónio é o nascer de uma base de dados que ninguém sabe muito bem como é nem o quão gigante vai ser e que será apresentada a anunciantes para segmentarem melhor as suas mensagens comerciais. Ora se é verdade que o jornalismo precisa de subsistir, é também verdade que jornalismo não é (ou não deveria ser) um monstruoso negócio de dados porque não precisa deles.

Uma plataforma incompleta?

O Nónio ainda está a meio gás. O sistema de registo e acesso já está implementado nos 70 sites, mas, conforme experimentámos, ainda não parece estar completamente ligado entre todos os sites e existem algumas falhas em alguns deles. A plataforma peca também por não oferecer um local centralizado onde os utilizadores possam aceder ao seu perfil e a todos os dados pessoais, bem como descarregar uma cópia dessa informação, conforme requerido pelo novo Regulamento Geral de Protecção de Dados (RGPD), que entrará em vigor no dia 25 em toda a União Europeia.

Na TVI24, há a opção para fechar a conta mas não funciona

O Nónio é ainda obrigado, segundo este novo RGPD, a ser claro quanto à informação que regista sobre os utilizadores. No site do TVI24, por exemplo, apagar a conta é um processo simples, está ao alcance de um botão, mas, se usarmos o mesmo e-mail e palavra-passe para aceder ao Nónio através do Diário de Notícias, conseguimo-lo com sucesso. Curiosamente, usando esses dados para aceder ao TVI24, também não temos problemas – ou seja, a conta que quisemos apagar não foi, na realidade, eliminada. Por outro lado, com o mesmo acesso, no Diário de Notícias vemos que está registado o nosso nome e data de nascimento; já no TVI24 apenas o nosso e-mail.

Incoerência de dados entre dois sites diferentes pertencentes ao Nónio (TVI24 à esquerda, Diário de Notícias à direita)

Entretanto, no site do Expresso, somos reencaminhados para o sistema da Impresa, grupo ao qual pertence o semanário; e no do Público temos, aparentemente, acesso à nossa conta antiga e todas as subscrições de newsletter. Em suma, uma confusão que, se nem alguém habituado a lidar com tecnologia percebe, quanto mais quem é menos literato nestas andanças. Isto dá a entender que não só os sistemas não estão ainda interligados (apesar das janelas de registo e acesso serem iguais), como também cria sérias dúvidas para o utilizador quanto aos sites em que está registado e à informação que deu. E parece, acima de tudo, que o sistema do Nónio foi lançado antes do tempo.

Que dados é que o Nónio, afinal, recolhe?

Segundo os termos e condições e a política de privacidade, O Nónio fica no momento de registo com o nome e apelido, o sexo, a data de nascimento e o endereço de e-mail. Depois, “caso tenhas dado a sua autorização, poderão ser-lhe endereçada actualidade informativa, bem como informações sobre inquéritos, concursos, jogos, promoções ou ofertas comerciais”. O Nónio vai também guardar dados da tua navegação através do teu browser (endereço IP, sistema operativo e motor de busca da Internet utilizados, resolução do ecrã e websites de referência) e através de cookies – alguns para fins publicitários, outros apenas para “recolher dados para fins estatísticos e determinação de padrões de leitura”.

O Nónio explica que os dados recolhidos podem ser utilizados para desde “permitir oferecer conteúdos personalizados, como por exemplo, notícias, anúncios e resultados da pesquisa que entendemos que possam ser do seu agrado” a “corresponder a pedidos dos utilizadores, designadamente para o envio de newsletters e informações acerca dos nossos serviços”.

Contactámos o Nónio através do endereço de e-mail facultado no site, esta sexta-feira, mas até à data de publicação deste artigo não foi obtida qualquer resposta.