Não leias só o Shifter. Lê mais, ouve mais, percebe mais

Um mundo melhor pode começar por uma imprensa independente.

No meio de tanta efeméride que se comemora por estes dias, é provável que não te tenhas apercebido de que no dia 3 de Maio se assinala o importante Dia da Liberdade de Imprensa. O mesmo não será verdade se por acaso nesse dia compraste o The New York Times ou outro dos jornais aderentes, e te cruzaste com a campanha lançada pela UNESCO para marcar este dia.

Numa inserção de página inteira em vários jornais e revistas, e numa parceria com uma série de grupos de media independentes, a UNESCO relembrou o público da importância de ler mais e ver mais para além das primeiras escolhas. Assim, o anúncio all-type (isto é, um anúncio só com texto) fazia um pedido para que leitores não lessem só o jornal em questão.

A ideia geral da campanha, com criatividade da agência Droga5, foi sublinhar a importância da pluralidade dos media e da sua independência, salientando que um mundo melhor pode começar por uma imprensa melhor. “Read more. Listen More. Understand More. It all stars with a free press” foi a assinatura escolhida para arrematar a mensagem.

Entre os jornais participantes desta iniciativa conjunta estão: Baltimore Sun​​, BBC News, Chicago Tribune​, CNN, ​Daily Press​, ​Financial Times​, ​Hartford Courant​, ​Helsingin Sanomat​,​ IPS World News, la Repubblica​, ​Los Angeles Times​, ​National Review​, ​New York Daily News​, ​New York ​magazine, NPR,​ Orlando Sentinel​, ​Philadelphia Inquirer​, ​Rappler​, ​Sun Sentinel​, ​The Atlantic​, ​The Economist​, ​The Guardian​, ​The Morning Call​, ​The New York Times​, ​The New Yorker​, ​The Wall Street Journal​, entre outros. Podes consultar a lista completa aqui.

De notar que a maioria dos participantes nesta campanha são norte-americanos, com destaque para as excepções La Repubblica, de Itália, Rapper, das Filipas ou Helsingin Sanomat, da Finlândia. De resto, uma das críticas apontadas a esta campanha foi precisamente a descriminação de algumas zonas do globo, que a comunidade no Twitter tentou colmatar.

Quanto a Portugal, não podemos deixar de referir no âmbito do Dia da Liberdade de Imprensa o Nónio, o novo monstro da comunicação social portuguesa, que recolherá dados dos leitores de 70 publicações, e as alternativas independentes que existem. Porque um mundo melhor pode começar por uma imprensa independente.