Kalashnikov: banda satírica regressa para causar o caos no NOS Alive

Kalashnikov, Simon Day (BBC “Fast Show” “History Of Rock”), Rui Cruz, Bruno Henriques (Jovem Conservador De Direita), e Miguel Lambertini são os nomes que compõem o cartaz do segundo dia do festival, ao lado do anfitrião Nuno Duarte aka Jel.

Kalashnikov nos alive
Fonte: Wikipedia

“Peace is dead, war again!”

O Palco Comédia do NOS Alive, ponto de paragem obrigatório para os amantes de stand-up comedy, acaba de revelar o alinhamento de dia 13 de julho. Kalashnikov, Simon Day (BBC “Fast Show” “History Of Rock”), Rui Cruz, Bruno Henriques (Jovem Conservador De Direita), e Miguel Lambertini são os nomes que compõem o cartaz do segundo dia do festival, ao lado do anfitrião Nuno Duarte que actuará no final da noite.

Do Reino Unido chega uma lenda vida da comédia britânica. Simon Day, comediante protagonista dos míticos programas da BBC, “The Fast Show” e “History of Rock” e com participação em filmes como “The Imaginarium of Doctor Parnassus”, “Shakespeare in Love” e “Run, Fatboy, Run”. É igualmente reconhecido no stand up tendo ganho no Reino Unido o célebre prémio Time Out para melhor comediante em 1991.

Rui Cruz, humorista, guionista, stand up comedian e semifinalista das Olimpíadas de Matemática do Concelho de Arganil de 1998, é outro dos nomes que sobe ao Palco Comédia. Antes será vez de Bruno Henriques, co-autor do Jovem Conservador de Direita e cara do projeto, que confessa fazer stand-up comedy por ser única forma de poder falar acerca do que aprendeu na licenciatura. Cabem as honras da abertura deste palco a Miguel Lambertini que vindo directamente do mundo do marketing, em 2017 decidiu tornar-se CEO do seu projeto pessoal: fazer rir pessoas.

A encerrar a fu***** noite estarão os Kalashnikov. A fu***** banda satírica que nasceu no mítico programa da SIC Radical, o fu***** Vai Tudo Abaixo, está mesmo de fuc**** regresso. Criada pelos irmãos Jel e Vasco Duarte e auto-intitulada “a maior banda portuguesa de todos os tempos” pelo simples facto de só tocar em cenários de fu***** guerra. A última actuação desta guerrilha em Portugal foi curiosamente no NOS Alive em 2008. Espera-se um explosivo fu***** concerto, o (head)shot de adrenalina que faltava ao NOS Alive. “George Bush, Bin Landen, one love, one family”.