É por isto que os jornalistas portugueses estão a sair das redacções e a ir para o Governo

Enquanto os media portugueses atravessam uma longa crise, são cada vez mais os jornalistas desmotivados e mal pagos que aceitam convites para trabalhar para o Governo de António Costa. João de Almeida Dias, correspondente da Index On Censorship em Portugal, falou com duas ex-jornalistas sob anonimato que lhe falaram das suas passagens das redacções para o Governo.

jornalistas portugueses
O Primeiro-Ministro António Costa (foto de EPP Group via Flickr)

No dia 15 de Março, enquanto debatia no parlamento a limpeza das matas e os incêndios que mataram 114 pessoas ao longo do Verão de 2017, o Primeiro-Ministro António Costa apontou o dedo aos jornalistas e disse: “Um dos maiores problemas do país é a péssima qualidade da nossa informação.”

Mas, apesar das críticas que faz aos jornalistas tanto em público como em privado, o Governo de António Costa tem demonstrado aptidão para procurar num sector específico pessoas dispostas a trabalhar em cargos de assessoria e por vezes executivos: os media.

Qualificados, mal-pagos e arrasados pela actual crise dos media portugueses, vários jornalistas têm aceitado trabalhar para o Governo em troca de salários muito mais altos e melhores condições de trabalho. “Isto tem consequências muito graves para o jornalismo”, diz Carla Baptista, especialista em media e professora na Universidade Nova de Lisboa. “Se olharmos para isto como um combate entre dois lados, é bastante óbvio perceber cujos interesses saem a ganhar.”

Quando fala da sua passagem do jornalismo para um cargo público, Sara, que pediu anonimato, descreve “dois lados” – e deixa claro de qual prefere estar. “Quando era jornalista, via muitas pessoas a passarem para este lado. Nunca imaginei que algumas delas fizessem isto. Mas fizeram-no e, para espanto de todos, deram-se bem”, diz Sara, que também aceitou um convite para trabalhar para o Governo depois de oito anos no jornalismo. “Isto é um pouco como o suicídio. Quando vês outras pessoas a fazerem, acaba por ter um efeito contagioso. Só que neste caso o final é feliz.”

Quando olha para o que foi a sua carreira no jornalismo, Sara recorda uma luta constante para equilibrar as suas aspirações profissionais com aquilo que era esperado dela no dia-a-dia do jornal. “Todos os dias tentei especializar-me numa área, enquanto os meus superiores achavam que isto era um capricho meu”, queixa-se.

Como exemplo, Sara recorda quando, depois de insistir durante várias semanas, recebeu um e-mail a dizer que o Ministro responsável pela área que ela cobria estava disponível para uma entrevista exclusiva. Apesar de ter em mãos um trabalho urgente e pouco habitual, nada disto lhe valeu uma dispensa das tarefas diárias da redacção. “Tive de me sentar à secretária e publicar takes da Lusa e só depois é que fui autorizada a ir entrevistar o ministro. Olhando para trás, é difícil imaginar como é que um jornalista pode entrevistar o Ministro da sua responsabilidade e ainda assim ter de publicar takes de agências desde as 7h00.”

Situações como esta, aliadas a um salário que não chegava aos 900 euros, levaram Sara a procurar uma nova carreira. À medida que isto se soube, recebeu um convite de um instituto público e, mais tarde, uma proposta para trabalhar no Governo. Tanto um cargo como o outro tratava da mesma área que ela cobria como jornalista. No seu actual emprego, o salário de Sara é 2,5 vezes maior do que aquele que ela ganhava ao fim de quase uma década no jornalismo.

O dinheiro também foi um problema para Inês, que pediu anonimato. Trabalhou 12 anos no mesmo jornal, até que os salários deixaram de ser pagos. Depois de três meses sem receber, aceitou uma oferta de emprego de outra publicação. Porém, perdeu motivação quando lidou com aquela nova redacção, mais parada e sossegada do que aquela a que Inês estava habituada. Foi nessa altura que recebeu um convite para trabalhar no ministério que cobria diariamente. A proposta incluía um salário que era o dobro do que Inês ganhava no primeiro jornal e aproximadamente mais 600 euros no sítio onde estava. Aceitou-a num abrir e fechar de olhos.

“Estou a trabalhar exactamente os mesmos temas sobre os quais escrevia como jornalista, por isso não estou a desperdiçar a minha experiência na área”, disse Inês. “Só que agora estou no outro lado.”

Quando recorda as declarações do Primeiro-Ministro em Março, Inês reconhece que “ele não devia ter dito aquilo” – mas di-lo estritamente por uma questão de imagem e relações públicas. “Tal como em todas as profissões, os jornalistas não gostam de ser criticados. Mas a verdade é que hoje em dia existe uma informação de qualidade terrível e eu cheguei a fazer parte disso também”, acrescenta.

“O facto de os jornalistas terem de escrever artigos a toda a hora leva a que eles não confirmem a maioria das coisas que publicam. Tornam-se em caixas de ressonância”, aponta. “Um deputado diz uma coisa, os jornalistas vão atrás e citam-no sem confirmar o que ele disse.” Tudo isto, explica Inês, é feito por “jornalistas novos e com pouca experiência que trabalham a uma velocidade alucinante e sem qualquer tipo de orientação”.

Agora que trabalha no outro lado, Inês está bem ciente desta realidade e admite tirar partido dela. Quando lhe perguntamos se o trabalho dela é facilitado por ter de lidar na maioria com jornalistas pouco rodados, responde imediatamente: “Claro que sim. Eu também já estive na posição deles. E se eu sei que há coisas que não colam com um jornalista mais experiente, há outros que a aceitam logo. Porque eles não se podem dar ao luxo de pensar.”

(Nota: a versão original deste artigo foi publicada a 10/05/2018 no site da Index On Censorship; texto de João Almeida Dias e foto de EPP Group via Flickr)