Pouca privacidade não é sexy: o Facebook vai lançar uma app de encontros

Vais poder criar um "perfil de encontro" distinto do teu perfil de Facebook, que não vai ser visível para os teus amigos ou utilizadores que não estejam inscritos na plataforma de dating.

O Facebook anunciou esta terça-feira a sua intenção de se lançar no mercado das apps de dating. No mesmo anúncio, enfatizou os esforços da empresa para proteger os dados de seus utilizadores após o escândalo da Cambridge Analytica, mas, numa altura em que a rede social está debaixo de fogo por questões relacionadas com privacidade, será o Facebook o melhor veículo para construíres algo tão privado como uma relação amorosa – seja ela de que natureza for?

Mark Zuckerberg, presidente e director executivo da maior rede social do mundo, fez o anúncio na na habitual conferência F8, destinada a programadores e que decorreu em San José, na Califórnia. Referiu que, ao contrário do Tinder, a nova ferramenta não pretende facilitar os encontros casuais, mas sim ajudar as pessoas a encontrar o amor e a formar relações estáveis através da rede“um em cada três casamentos nos Estados Unidos começam online”, lembrou.

Uma pré-visualização do serviço de dating do Facebook na F8

O serviço de dating do Facebook será integrado na rede social, isolado dos seus perfis. Os utilizadores poderão criar um “perfil de encontro” que será visível apenas para não-amigos e ser-lhes-ão recomendados potenciais pretendentes com base nos dados deste segundo perfil. E porque o tema “uso dos dados dos utilizadores” ainda é sensível para aqueles lados de Palo Alto, o Facebook explica que “as possíveis correspondências serão recomendadas com base nas preferências de namoro e amigos em comum. Eles terão a opção de descobrir outras pessoas com interesses semelhantes através dos grupos onde estão ou eventos a que foram”.

Em detalhe, o serviço de dating do Facebook funcionará assim:

  1. Crias um perfil só com o teu primeiro nome. Esse perfil não vai ser visível para os teus amigos ou utilizadores que não estejam inscritos na plataforma de dating, e não vai aparecer no News Feed “normal”. Estará acessível a partir de um botão no canto superior direito da app;
  2. Uma vez criado o teu perfil, vais ver eventos que aconteçam tua cidade e grupos que correspondam aos teus interesses. Podes “desbloquear” esses eventos e grupos para veres os perfis de outros utilizadores que também tenham desbloqueado esses grupos ou eventos.
  3. Podes ainda navegar pelos perfis das pessoas, que podem incluir algumas fotografias e informações básicas sobre elas. Os perfis que te serão mostrados serão filtrados de acordo com amigos e interesses em comum.
  4. Quando encontras uma pessoa que te interesse, basta meteres conversa com ela a partir de uma foto dela. Essa conversa não acontecerá no Messenger, nem no WhatsApp, mas directamente nesta plataforma de dating. Por segurança, numa fase inicial apenas vai ser possível enviar texto.
O serviço de dating do Facebook servirá uma quinta camada do “gráfico social” da plataforma: o matching, isto é, pessoas que não se conhecem e que podem ter interesse em comum

Ainda assim, a questão é se o Facebook construiu muros suficientes entre a sua rede social e o seu novo serviço de encontros. Os utilizadores podem achar assustador fazer tudo numa só plataforma ou então não, uma vez que, no fundo, a rede social sempre viu associada ao seu uso a mesma feature de matchmaker, sem que fosse preciso uma aplicação própria para o efeito. As acções de um dos principais sites de encontros nos Estados Unidos, o Match – empresa-mãe do Tinder – caiu quase 20% em Wall Street, pouco depois do anúncio.