Feira do Livro pela 88ª vez em Lisboa. Estas são as novidades

A 88ª edição da Feira do Livro de Lisboa – que se realiza entre 25 de Maio e 13 de Junho – regressa esta sexta-feira ao Parque Eduardo VII com várias inovações em relação às edições anteriores.

A Feira do Livro de Lisboa, que chegou à capital portuguesa em 1930, viu o seu recinto voltar a crescer este ano para a sua 88ª edição, no Parque Eduardo VII. Um total de 294 pavilhões espalhados ao longo da alameda (mais oito que ano passado) e de 626 editoras (mais 25 comparativamente a 2017) é o que vamos poder encontrar nesta edição.

Mais espaço

Vão existir mais esplanadas, mais iniciativas, mais zonas para as pessoas se abrigarem nas sombras, tal como uma programação especial a pensar nas crianças. Como referiu Pedro Pereira da Silva, ao Observador, estas melhorias foram no sentido de melhorar as condições de quem visita a Feira.

Durante a cerimónia de apresentação da 88ª edição da Feira do Livro de Lisboa, que decorreu na segunda-feira, Pedro Pereira da Silva afirmou que no ano passado foram realizadas mais de mil iniciativas pelas editoras presentes, onde houve espaço para sessões de autógrafos e apresentações com cerca de 1120 autores. Números que o responsável da organização esperam que seja ultrapassado este ano. “A programação das editoras é muito rica (…) e vai desde o yoga ao teatro”, referiu o director do evento.

Outra das mudanças feitas pela organização foi na questão da data de início do evento. Anteriormente, a feira começava sempre a uma quinta-feira, mas como explicou Pedro Pereira da Silva durante a apresentação, arrancou este ano a uma sexta-feira por “facilidade de calendário”. Isto é, para que possa terminar 13 de Junho, dia do feriado municipal.

Hora H mais cedo

Quanto à famosa Hora H – com descontos mínimos de 50% nos livros que ultrapassem os 18 meses do preço fixo – irá decorrer uma hora mais cedo, das 21 às 22 horas. Para Bruno Pacheco, secretário-geral da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), o novo horário deve-se ao facto de ser “mais razoável para uma visita nocturna acompanhada de crianças” (segundo um estudo feito pela organização, 12% dos visitantes faz-se acompanhar por crianças até aos 13 anos) e também para aqueles que saem mais tarde dos seus trabalhos.

Um espaço para selfies

Mas nem tudo mudou no evento. O evento, que se realiza entre 25 de Maio e 13 de Junho, irá manter os espaços implementados na edição anterior, como o fraldário e o espaço para animais. Vai contar, também, com um Espaço Selfie, um local para tirar e partilhar fotografias panorâmicas da cidade, dois pontos de carregamento para telemóveis e uma nova colecção de merchadising – composta por um caderno de apontamentos, um marcador em cortiça, canecas e chapéus de palha.

Pavilhão dedicado a Saramago

As Bibliotecas de Lisboa, parceiras de longa data da Feira do Livro, vão continuar a ser responsáveis pelo desenvolvimento da programação cultural dirigida ao público infantil com a iniciativa “Acampar com Histórias”, na qual um grupo de crianças tem a possibilidade de pernoitar na Estufa Fria e realizar actividades relacionadas com o livro e a leitura. De acordo com Susana Silvestre, chefe de divisão da Rede de Bibliotecas lisboetas, a actividade está praticamente esgotada.

Este ano, a Feira do Livro, apesar de todas as mudanças, tem uma particularidade a que devemos dar especial atenção: um pavilhão exclusivamente dedicado a José Saramago, que assinala os 20 anos da atribuição do Prémio Nobel da Literatura.

Estão criadas todas as condições para não perderes a 88ª edição da Feira do Livro que começou hoje e vai prolongar-se até dia 13 de Junho, no Parque Eduardo VII. Para além da literatura, o cinema também vai marcar presença na Feira, através de uma parceria firmada com a Cinemateca. No sábado, dia 26, podes assistir a uma sessão de apresentação do documentário Labirinto da Saudade, sobre Eduardo Lourenço. Podes consultar o programa do evento aqui.