Stefan Sagmeister quer fazer-nos felizes com exposição em Lisboa

É um dos mais aplaudidos designers internacionais e mostra no MAAT a partir de amanhã The Happy Show, um dos seus projectos mais icónicos, que resulta de uma intensa pesquisa de mais de dez anos sobre o conceito de felicidade.

Stefan Sagmeister lisboa

O que é a felicidade? Como a encontrar? E o que fazemos realmente para ser felizes? São algumas das perguntas mais antigas do mundo, aquelas para quem toda a gente gostava de ter resposta. Enquanto alguns de nós vamos vivendo, pensando nisso quando a vida nos corre bem – ou mal, na verdade – há quem tenha dedicado praticamente uma carreira inteira ao tema.

O designer austríaco Stefan Sagmeister passou 10 anos a pesquisar sobre a sua e a nossa felicidade sendo um dos maiores na sua arte. The Happy Show não é só o trabalho de uma vida, mas é também uma das exposições de design mais populares do momento.

O Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT) será a última paragem da sua investigação e da exposição itinerante que é também um filme, The Happy Film, e foi uma série de 150 palestras sobre a felicidade.

The Happy Show começou no Institute of Contemporary Art de Filadélfia, em 2012, e já passou pelo Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles, pelo Museu de Artes Aplicadas de Viena e por muitas outras instituições.

Talvez conheças Sagmeister como o autor de capas álbuns como os de Rolling Stones, Talking Heads ou Lou Reed, pelo projecto da Casa da Música ou pelo logótipo da EDP. O austríaco de 55 anos admite que The Happy Show é um dos maiores marcos da sua carreira. Lançou-se numa viagem de auto-conhecimento, na qual, ao longo de três meses, experimentou meditação, terapia cognitiva e fármacos indutores de alteração de humor. Avisa logo à entrada que “esta exposição não te vai fazer mais feliz”, mas propõe-se a inspirar-nos, com a sua experiência, a procurar a felicidade.

Através de vídeo, infografias, esculturas e instalações interativas, bem como de humor, provocação e interação, a exposição leva-nos numa viagem pela mente de Sagmeister e pelas suas visões inovadoras, aparentemente simples, sobre como sermos mais felizes. Apela a uma atitude mais participativa na busca dessa felicidade – afirmando inclusivamente que esta se treina, tal como treinamos o nosso corpo.

Sagmeister utiliza um design gráfico extremamente emocional para se ligar às pessoas, testando a fronteira entre o design e a arte, ou a ciência e a cultura do dia a dia, chegando a transgredir todas as barreiras entre estes conceitos. Isso vê-se por exemplo na escolha do amarelo para o espaço da exposição, uma cor que diz trazer-lhe conforto e felicidade.

“The Happy Show” tem curadoria de Claudia Gould e ficará patente no MAAT até 4 de Junho.