Tribunal russo dá ordem de bloqueio a aplicação de mensagens Telegram

Pavel Durov, o frontman da tecnológica foi pronto e sintético a reagir a ordem da instância judicial russa, com uma partilha no blog do Telegram reveladora da sua intrasigente luta pela privacidade dos utilizadores.

Rússia telegram

A discussão entre o Telegram e o governo russo já tinha emergido há umas semanas. Do lado das instituições russas a vontade expressa era de proibir a aplicação a nível nacional se não lhe fossem facultadas as chaves de encriptação que permitem acesso ao conteúdo partilhado na plataforma. Do lado dos programadores responsáveis pela criação e manutenção da app a decisão era definitiva em não ceder às exigências vindas do Kremlin.

Nos últimos dias até a popularidade da aplicação entre os membros do Governo e de altas instâncias russas deu motivo para notícias e discussão sobre o tema mas, hoje, a intenção passou a um parecer vinculativo com uma ordem do tribunal a exigir o bloqueio da aplicação de mensagens em todo o país, segundo reporta a agência de noticiosa russa Tass.

Pavel Durov, o frontman da tecnológica foi pronto e sintético a reagir a ordem da instância judicial russa, com uma partilha no blog do Telegram reveladora da sua intrasigente luta pela privacidade dos utilizadores — gabando-se do facto de no Telegram se poderem dar ao luxo de ignorar as fontes de receita ou os compromissos publicitários que com esta proibição ficam em risco, em nome da privacidade dos utilizadores.

Recorde-se que Pavel e Nikolai Durov, irmãos, são os fundadores e principais cérebros da aplicação de mensagens encriptadas, depois de terem sido afastados da sua primeira grande criação — a gigante rede social russa, semelhante ao Facebook, VKontacte — por discordarem das políticas de regulação impostas pelo poder político russo.

A iniciativa do Telegram para criar uma “nova Internet”

A exigência das instâncias russas em ter acesso às chaves de encriptação da aplicação enquadra-se na lei anti-terrorismo em vigor desde 2016 que determina que todas as aplicações semelhantes devem fornecer às autoridade os meios necessários à desencriptação das mensagens. O processo já se estendia há algum tempo opondo o Telegram à Roskomnadzor, a entidade supervisora das comunicações na Rússia.

A aplicação, segundo dados públicos, é gerida e sustentada pela fortuna pessoal acumulada pelos irmãos com o VK. Nikolai é o cérebro responsável pelos inovadores sistemas de segurança de dados, enquanto Pavel surge como a face pública da empresa que se encontra actualmente a preparar uma das maiores evoluções do seu serviço.