Myriam Bleau estreia-se em Portugal a tocar… com copos de vinho

Canadiana Myriam Bleau utiliza copos de vinho para explorar a tensão antecipada à sua destruição.

Myriam Bleau Portugal

O mais natural é que nunca tenhas ouvido falar de Myriam Bleau; é normal, a arte performativa em Portugal custa em ganhar espaço, quer em sala, quer nos media e dificilmente projectos tão disruptivos são do conhecimento público. No sentido inverso trabalham casas como o Gnration a norte (e a ZDB a sul, para dar um exemplo) que no seu mais recente ciclo curatorial dedicado às artes performativas — o Binário — acabou de confirmar uma artista bastante fora da norma social.

Myriam Bleau, compositora, performer e artista digital oriunda de Montreal, é conhecida por criar instrumentos musicais pouco ortodoxos com materiais familiares. Bleau faz carreira ao sistemas audiovisuais que vão para além da tela, como instalações sonoras e performances especificas recorrendo a interfaces musicais.

Na performance autopsy.glass, Bleau procura tirar partido o potencial sónico, visual e simbólico dos copos de vinho. Explorar a tensão única associada a uma destruição antecipada dos copos do vinho é para Myriam uma fonte de interesse, de descoberta sonora e um pretexto performativo. Através da manipulação ao vivo dos copos, progressivamente mais violenta e com os copos a serem amplificados, Myriam compõe uma cena musical e luminosa a partir de ressonâncias extraídas do vidro. Esta mistura na sua composição artística resulta em batidas firmes e melodias atmosféricas, bem como numa experiência sensorial que passa as barreiras da música.

No final da performance, a que Myriam designa como “uma autopsia sonora aos copos de vidro”, um rastro de destruição e de restos de copos permanece perante a audiência esta perante, culminando numa performance audiovisual de carácter único.

O espectáculo decorrerá no sábado, dia 21 de Abril pelas 22:30 e os bilhetes têm o custo de 5€.

https://www.facebook.com/events/564923790530367/

Em junho, o ciclo Binário regressará para apresentar o conceituado artista canadiano Nicolas Bernier. Bernier dará a conhecer Transfert (299 792 458 m/s), uma hiperbólica performance audiovisual inspirada na ficção científica e num universo artificial. A performance está marcada para 1 de junho, pelas 22:30, na Blackbox do gnration.