LibreOffice: uma alternativa livre (e gratuita) ao Microsoft Office

Há ferramentas para sermos livres na escola ou no trabalho? Sim, há.

LibreOffice alternativa microsoft

Podemos dividir o software em dois grandes grupos: o software proprietário, aquele é que desenvolvido e detido por uma determinada empresa; e o software livre, que é gratuito e geralmente aberto, pertencendo aos utilizadores. Um bom exemplo de um software proprietário é o Microsoft Office. Um exemplo de um software livre alternativo é o LibreOffice.

O Microsoft Office e o LibreOffice servem o mesmo propósito: edição de documentos, apresentações e folhas de cálculo. São ambos uma suite de produtividade com, praticamente, apenas uma diferença: o primeiro é pago – muitas vezes não nos apercebermos disso, dado que vem pré-instalado com o sistema operativo Windows –, garantindo à Microsoft a venda de milhares de licenças. Muitos defendem, contudo, alternativas livres e gratuitas, que não dependam de grandes empresas tecnológicas e estejam por isso ao acesso de qualquer um.

Tal libertaria dos custos de licenças caras e desprenderia funcionários e alunos de ter de adquirir também eles essas licenças para os seus equipamentos pessoais, onde muitas vezes precisam de abrir e editar os ficheiros que criam nos computadores do local de trabalho ou de estudo. É certo que no caso do Windows o Microsoft Office vem pré-instalado (ou seja, o seu custo para o utilizador vem incluído no preço do hardware) e no caso do macOS existe o iWork, também gratuito (ou pré-pago) – e existe a suite Google Docs, Slides e Sheets, igualmente gratuita –, mas todas elas pertencem a empresas.

A melhor solução é neste cenário o LibreOffice (ou outros softwares similares dentro dos parâmetros que à frente descrevemos) – além de gratuito, é um software livre e disponibilizado em código aberto. Aliás, o LibreOffice nasceu do código do OpenOffice e começou a ser desenvolvido por alguns programadores deste software, depois de o mesmo ter sido adquirido pela Oracle.

Parte da comunidade do LibreOffice reunida em Hamburgo, Alemanha

Desenvolvido com a ajuda voluntária de uma comunidade de programadores e designers (da qual qualquer um pode fazer parte), o LibreOffice é mantido por uma organização sem fins lucrativos – a  The Document Foundation –, cuja missão é “suportar e adotar o desenvolvimento do projecto LibreOffice, assim como representá-lo”, segundo se lê no site oficial.

Disponível para Windows, macOS e Linux, o LibreOffice é uma só aplicação que inclui diferentes ferramentas:

  • o Writer para documentos de texto (é estilo Word);
  • o Calc para folhas de cálculo (é estilo Excel);
  • o Impress para apresentações (é estilo PowerPoint);
  • o Draw para desenhos gráficos;
  • o Base para bases de dados;
  • o Math para fórmulas matemáticas;
  • o Chart para gráficos.

Estas ferramentas são as mesmas que podes encontrar no OpenOffice, que também é composto por um único ficheiro que podes descarregar e instalar no teu computador Windows, macOS e Linux. Quer o LibreOffice como o OpenOffice permitem abrir ficheiros criados no Microsoft Office com uma boa compatabilidade, apesar de, para os melhores resultados, ser recomendado utilizar o formato nativo destes dois softwares livres.

Se gostas da ideia software livre e queres dar uma ajuda para o sucesso do LibreOffice, podes sempre juntar-te à sua comunidade ou seguir o projecto no Reddit. Ah e, claro, substituir o Word ou o Pages no teu computador por esta opção livre.