DIS: uma plataforma de streaming gratuito onde o conhecimento ocupa lugar

O DIS é um serviço de streaming carregado de documentários e actualizado todos os meses com novos conteúdos.

Há diferentes formas de aprender – cursos universitários, workshops, livros, internet, documentários… Disponível gratuitamente, o DIS é um serviço de streaming de documentários e actualizado todos os meses com novos conteúdos.

“O futuro da aprendizagem é muito mais importante que o futuro da educação. À medida que mais e mais pessoas aprendem a ler todos os dias, o mundo aproxima-se da pós-iliteracia. Precisamos de novas formas de aceder ao conhecimento de que precisamos” – é desta forma que se apresenta o DIS, criado em 2010 em Nova Iorque por um colectivo de artistas e pensadores. Este pretende ser uma plataforma de “edutrenimento”, uma conjugação de entretenimento e educação.

Em dis.art, encontras uma variedade de documentários. Real Mass Entrepreneurship, por exemplo, fala de como um empreendedorismo massivo, acessível a todos, pode levar a uma Humanidade mais autónoma; já Circle Time é uma série de episódios que fala sobre a história do modernismo enquanto história da honestidade; e em Dress Tutorial podes revisitar o vestuário feminino ao longo dos séculos. Estes são alguns exemplos do que podes encontrar no DIS, cujo catálogo é renovado mensalmente. Há novos vídeos aos domingos, que ficam disponíveis por 30 dias.

Um registo de e-mail é tudo aquilo de que precisas para aceder aos conteúdos da DIS

O DIS abrange desde arte contemporânea a tecnologia, filosofia, activismo e cultura em todas as suas definições. Cada vídeo é uma promessa, lê-se ainda na apresentação da plataforma; alguns apresentam soluções, outros fazem apenas perguntas, mas todos eles prometem desafiar-nos a pensar sobre o mundo à nossa volta.

Apesar de ter sido criado em 2010, o DIS não foi, desde o início, uma biblioteca de conteúdos em streaming. Aliás, em 2010, o streaming era ainda uma ideia rara e essa aventura só arrancou para este colectivo nova-iorquino no início deste ano, numa promessa de contribuir para o debate sobre o futuro através de uma plataforma gratuita para todos e de documentários que ligam as pontas soltas entre micro-tendências e questões macro-culturais. “Mesmo quando tentamos informar-nos, deparamo-nos com sempre os mesmos especialistas, trolls, conservadores, radicais, palavras-caras, notícias falsas, e-mails vazados, comentários racistas e factos alternativos”, disse Lauren Boyle, co-fundadora do DIS, numa entrevista ao site Dazen.

Apesar de gratuito, o DIS requer um pequeno registo com o nosso e-mail (e-nome) para que possamos aceder aos conteúdos, que são antecedidos também por publicidade, mas não uma publicidade vulgar“são animações peculiares, que nos poupam dos típicos comerciais hiper-direccionados”, como descreve a Dazen. O DIS já foi uma revista online, já lançou um banco de imagens que goza com os Shutterstocks da vida (DISimages) e uma loja-conceito que explorava as noções de gosto e consumismo (DISown).

Podes seguir o DIS no Facebook, Twitter e Instagram, e enviar sugestões ou comentários para info@dis.art. E, claro, explorar os conteúdos disponíveis no site.