Um browser corajoso sem anúncios nem trackers para te vigiar enquanto navegas

Disponível para computador e telemóvel, este browser tem uma alternativa ao actual sistema de publicidade: um sistema de micro-pagamentos baseado em blockchain.

Quando navegas na internet num browser como o Chrome ou o Firefox, é impossível não seres bombardeado com anúncios aqui e ali e com trackers que te acompanham, recolhendo dados pessoais para segmentar ainda melhor as campanhas publicitárias. Ou seja, podes pensar que estás a navegar gratuitamente, mas há um preço escondido; não só estás a pagar aos criadores pelo conteúdo que produziram através da publicidade, como muitas vezes estás a gastar dados móveis para descarregar os anúncios e os trackers associados. Mesmo que tenhas um plano ilimitado no teu telemóvel ou apenas navegues no computador, acabas por pagar de outra forma porque mesmo que não o consideres a tua informação pessoal e o teu tempo são valiosos. (Estamos aqui para te lembrar.)

Este é, em parte, a argumentação utilizada pelo browser Brave.

Segundo uma análise do New York Times, feita em 2015, mais de metade dos dados móveis que os utilizadores gastam a aceder aos 50 maiores sites de notícias são para descarregar anúncios e trackers e não para o conteúdo editorial em si. Já Rob Leathern, gestor de produto no Facebook, acrescentou numa publicação no Medium outro dado relevante: as operadoras fazem mais dinheiro com a publicidade nos sites que os próprios sites, isto porque os consumidores acabam por pagar 16,6 vezes mais em dados móveis que aquilo que os 50 maiores sites de notícias ganham em receitas dos anúncios.

O Brave é um browser com um bloqueador de anúncios e de trackers integrado e activado por defeito. Quer isso dizer que, ao navegares na internet com este browser, não vais ver publicidade nem aquelas mensagens que te obrigam a desactivar o adblocker. Também não terás scripts escondidos nos sites a seguirem a tua actividade online. Assim, além de segurança e privacidade, o Brave promete uma internet mais rápida, poupando-te dados… e tempo. Ao bloquear anúncios e trackers, o Brave procura também reduzir as hipóteses de ser infectado por malware, ransomware e spyware,  prometendo segurança reforçada ao nível de HTTPS, o que significa mais encriptação e mais protecção para a tua identidade, dados de navegação, pagamentos, etc.

Mas… se o Brave bloqueia a publicidade, como é que os criadores de conteúdo são recompensados pelo seu trabalho e esforço?

O browser tem um sistema de pagamentos incorporado, que te permite estabelecer uma quantia mensal que queres gastar (por exemplo, 10 dólares) e dividir esse valor sob forma de doação pelos sites que mais visitas. Podes escolher a que sites queres doar e que percentagem. O sistema chama-se Brave Payments e não exige grande esforço, nem do lado dos utilizadores, nem do dos criadores e publicações. Os primeiros apenas têm de continuar a navegar e os segundos de continuar a criar e publicar.

O Brave Payments é baseado em Basic Attention Token, um token de base Ethereum que, mais tarde, permitirá ao Brave criar uma plataforma de publicidade descentralizada e transparente, onde publicações recebem moedas quando um anúncio é visto e os utilizadores também serão recompensados monetariamente pela atenção que deram à publicidade. As publicações ficam com 70%, os utilizadores com 15% e o restante fica para os criadores do browser. Depois, as publicações podem converter essas moedas digitais em dinheiro tradicional (como dólares) ou investi-las na promoção do seu conteúdo, dentro do universo do navegador. Já os utilizadores podem utilizar os tokens que recebem para doar às publicações ou comprar conteúdo premium que estas disponibilizem.

Em 2017, o Brave conseguiu 35 milhões de dólares em apenas 30 segundos numa ICO para financiar o Basic Attention Token (BAT) – cada unidade vale actualmente cerca de 0,40 dólares. A plataforma de publicidade que o Brave está a construir conta já com parceiros de relevo como o The Washington Post, o The Guardian e o Dow Jones Media Group, que opera os sites MarketWatch e o Barron’s. Mas qualquer criador e publicação pode registar o seu site, canal de YouTube e canal de Twitch no Brave Payments, a plataforma que recupera o conceito inicialmente introduzido pelo Flattr.

Resta dizer que o Brave, que actualmente tem dois milhões de utilizadores activos mensalmente, é gratuito e de código aberto, podendo ser descarregado para Windows, macOS e Linux, bem como Android e iOS. O Brave foi fundado por Brendan Eich, o criador do JavaScript e co-fundador da Mozilla, e por Brian Bondy, que além da Mozilla, passou também pela Khan Academy.