Aí está ele: o cartaz completo do Bons Sons 2018

Salvador Sobral, Linda Martini, Dead Combo, Sean Riley & The Slowriders, Luís Severo, Slow J, Paus e Norberto Lobo são apenas alguns dos muitos músicos que te farão companhia este ano.

O amor de Verão de muitos de nós já tem data marcada, cartaz anunciado e muitas novidades. Falamos-te do Bons Sons, festival de música portuguesa que de 9 a 12 de Agosto vai regressar à aldeia de Cem Soldos, em Tomar. Salvador Sobral, Linda Martini, Dead Combo, Sean Riley & The Slowriders, Luís Severo, Slow J, Paus e Norberto Lobo são apenas alguns dos muitos músicos que te farão companhia este ano.

Num alinhamento que não se fica nada a atrás de outras edições, o Bons Sons promete quatro dias de calor e paixões – musicais e talvez outras – numa aldeia que se transforma para te receber. Além dos oito palcos de música, existirá uma feira de artesãos, exposições de arte e outras actividades que animarão as ruas, praças e largos do festival.

Novidades no recinto

A edição de 2018 do Bons Sons vem acompanhada por novidades no recinto. A oferta alimentar vai aumentar com mais restaurantes, mais diversidade de comida e espaços mais amplos. Existirá também uma nova área de estar para descontrair nos dias e nas noites quentes.

E no campismo existirá também um reforço com mais área para o aldeamento e soluções alternativas ao campismo tradicional, com tendas pré-montadas e disponíveis em diferentes tamanhos, conforme o número de pessoas.

Outra novidade é a eliminação dos pagamentos com dinheiro no recinto do festival. Nesta edição, os festivaleiros terão uma pulseira electrónica que poderão carregar com o valor pretendido logo quando se chega ao festival e, a partir daí, é só desfrutar da música e de tudo o resto. Podem ir comer e beber sem estar a fazer contas ou contar dinheiro.

O cartaz de 2018

Em oito edições, o Bons Sons recebeu cerca de 278 concertos. Cada edição procura retratar aquele momento concreto da música portuguesa e, a comprovar a sua amplitude e vigor, nunca foram repetidos projectos no alinhamento das suas primeiras cinco edições. No ano passado, foram recebidos mais de 30 mil festivaleiros.

O Bons Sons tenta oferecer um cartaz de música portuguesa actual, amplo e eclético, do fado ao indie-rock, do acústico ao electrónico, do rural ao urbano, do local ao global, das influências tradicionais às contemporâneas. Cruzam-se em Cem Soldos projectos emergentes com músicos consagrados, todos no activo e com produção editada. No festival, pode esperar-se sonoridade variada, música produzida em Portugal e aberta ao mundo, cantada em português ou noutras línguas.

9 de Agosto

  • Salvador Sobral (Palco Lopes-Graça)
  • Selma Uamusse (Palco Lopes-Graça)
  • The Lemon Lovers (Palco Zeca Afonso)
  • Slow J (Palco Zeca Afonso)
  • Lince (Palco Giacometti)
  • Jerónimo (Palco Giacometti)
  • Xinobi DJ set (Palco Aguardela)
  • Tia Graça – Toda A Gente Devia Ter Uma (Palco Amália)
  • Fado Violado (Palco Amália)
  • Palankalama (Palco MPAGDP)
  • Vozes de Manhouce com Isabel Silvestre (Palco MPAGDP)

10 de Agosto

  • Mazgani (Palco Lopes-Graça)
  • Sara Tavares (Palco Lopes-Graça)
  • 10 000 Russos (Palco Zeca Afonso)
  • Mirror People (Palco Zeca Afonso)
  • S. Pedro (Palco Giacometti)
  • Tomara (Palco Giacometti)
  • António Bastos (Palco Aguardela)
  • Norberto Lobo (Palco Amália)
  • João Afonso (Palco Amália)
  • Patrícia Costa (Palco MPAGDP)
  • Meta (Palco MPAGDP)

11 de Agosto

  • Sean Riley & The Slowriders (Palco Lopes-Graça)
  • Cais Sodré Funk Connection (Palco Lopes-Graça)
  • Zeca Medeiros (Palco Zeca Afonso)
  • Paus (Palco Zeca Afonso)
  • O Gajo (Palco Giacometti)
  • QuartoQuarto (Palco Giacometti)
  • Conan Osiris (Palco Aguardela)
  • Colorau Som Sistema (Palco Aguardela)
  • Ela Vaz (Palco Amália)
  • Miguel Calhaz (Palco Amália)
  • Homem em Catarse (Palco MPAGDP)
  • Artesãos da Música (Palco MPAGDP)

12 de Agosto

  • Dead Combo (Palco Lopes-Graça)
  • Lena d’Água e Primeira Dama com a Banda Xita (Palco Lopes-Graça)
  • Peltzer (Palco Zeca Afonso)
  • Linda Martini (Palco Zeca Afonso)
  • Monday (Palco Giacometti)
  • Luís Severo (Palco Giacometti)
  • Motion Trio (Palco Amália)
  • Moonshiners (Palco Amália)
  • Orquestra de Foles (Palco MPAGDP)
  • Douradas Espigas (Palco MPAGDP)

Ano novo, nomes novos

O Bons Sons terá este ano os mesmos oito palcos mas alguns deles com novas nomenclaturas. O Palco Eira muda de local e passa a Palco Zeca Afonso, o cantautor que defendia que uma revolução cultural não era ele poder ir tocar a mais sítios; revolução cultural seria chegar a esses sítios e encontrar música de lá. O palco deixará a eira para se mudar para um anfiteatro natural num campo com algumas oliveiras, muito propício a concertos dedicados à nova música portuguesa.

Já o Palco Tarde ao Sol, no adro da Igreja de São Sebastião, mantém-se no mesmo local mas vai passar a prestar homenagem a Amália Rodrigues, o nome mais internacional da música nacional. Num momento em que o Bons Sons quer conquistar novos territórios para a música nacional, Amália surge como um nome incontornável. Este Palco Amália terá, a partir desta edição, concertos não só durante a tarde, como até aqui, mas também à noite, onde predomina a presença de músicos virtuosos de âmbitos diversos e inspirações várias, num palco que proporciona uma proximidade incrível entre músicos e o público.

Por outro lado, o Auditório de Cem Soldos passa a chamar-se Auditório Agostinho da Silva, não só durante o festival, mas durante o ano inteiro. Uma homenagem ao pensador que defendia que “o mundo acaba sempre por fazer o que sonharem os poetas” e que “viver interessa mais que ter vivido; e a vida só e real quando sentimos fora de nós alguma coisa de diferente”. O Auditório Agostinho da Silva recebe a programação ligada às artes performativas, cinema ou actividades dedicadas a crianças, nomeadamente:

  • 9 de Agosto: teatro e dança com a peça Sacro, de Sara Anjo;
  • 10 de Agosto: cinema com a programação do Curtas Em Flagrante;
  • 11 de Agosto: performance artística com UM [unimal], de Cristina Planas Leitão;
  • 12 de Agosto: espectáculo artístico da Filhos do Meio.

Bilhetes

Os passes do Bons Sons, que dão acesso aos quatro dias do festival e ao campismo, custam 40 euros até final de Julho e 45 euros sem comprados no recinto. Há ainda um bilhete diário a 20 euros ou 22 euros no recinto. A entrada é gratuita até aos 12 anos. Os passes e bilhetes podem ser adquiridos nos locais habituais.

O Bons Sons surgiu em 2006 e é, desde então, organizado pela associação cultural local SCOCS (Sport Club Operário de Cem Soldos). A apresentação do cartaz decorreu esta sexta-feira, 27 de Abril, em Cem Soldos, no primeiro dia do Por Estas Bandas, outro evento de música que há três anos tem animado a aldeia em meados de Abril.