2ª Edição — Liberdade: sempre ligados, somos mais livres?

Acompanha-nos nesta reflexão durante este mês de Abril, envia-nos as tuas sugestões, questões e inquietações.

Durante o mês de Março, a internet debateu-se a ela própria. Depois da questão das fake news e da desinformação ter sido o principal ponto de debate, desta vez foi diferente. Os dados dos utilizadores, a sua privacidade e, no fundo, a sua liberdade para navegar e existir online tornaram-se o novo epicentro. Por isso, e porque em Portugal, se assinalam o 44 anos da revolução dos cravos, decidimos debruçar-nos em Abril sobre a Liberdade.

A ideia não é simplesmente recordar a história e celebrar lutas do passado, mas antes reflectir, descortinar e escrutinar o significado da liberdade do presente. Em convergência com as temáticas que habitualmente tratamos, discutiremos o que é ser livre no século XXI e quem são os principais castradores dessa liberdades.

Como sublinhámos no primeiro editorial, não fazemos desta edições estanques, pelo que recuperaremos conceitos, ideias e princípios deixados nas nossas cabeças pela reflexão sobre a informação. Afinal de contas, nada disto existe isolado ou de um modo independente. Informação de qualidade não existe sem liberdade e, num mundo globalizado e hiperconectado, a liberdade não se conquista sem boa informação.

Seremos realmente livres no nosso dia-a-dia, ou será que as limitações à nossa capacidade criativa nos condenam a uma prisão de hábitos, costumes, rotinas e até estilos de vida? Será o trabalho a nova prisão? E onde não se revelam estados violentos, onde se expressa a sua repressão? Onde terminam as distopias que conhecemos e onde começa a nova realidade.

Que liberdade temos, queremos e sonhamos nos nossos dias? Como pode a tecnologia e as relações online tornar o mundo e o nosso quotidiano mais livre e menos dependentes de grandes entidades. Servirão as novas tecnologias para concretizar os velhos sonhos do mundo ou para os adormecer para um mundo onde censura, prisões políticas e opressão à imprensa continua vigente?

Acompanha-nos nesta reflexão durante este mês de Abril, envia-nos as tuas sugestões, questões e inquietações.