As apps que usamos para fazer o Shifter

Ao longo destes quase cinco anos, experimentámos várias aplicações. Desistimos de algumas, ficámos com outras. Estas são as 7 apps que usamos hoje.

Ilustração de Kelsey Wroten via Slack

Apesar de termos um espaço físico no Palácio Baldaya, muito do trabalho no Shifter é feito à distância e uma optimização dos processos, através da escolha das apps certas de produtividade, torna-se fundamental para que esse trabalho seja fluído e activo. Ao longo destes quase cinco anos, experimentámos várias aplicações. Desistimos de algumas, ficámos com outras.

Queremos agora partilhar contigo parte do que aprendemos com a nossa (ainda curta) experiência e as apps que hoje usamos para fazer o Shifter, numa tentativa de podermos inspirar outros projectos de comunicação social a utilizarem as mesmas ferramentas que nós.

Slack: uma redacção virtual

Começámos por usar grupos de Facebook e conversas no Messenger, experimentámos o Slack, mudámos-nos para o Basecamp depois de ouvirmos falar dele na TNW Conference, em Amesterdão, e regressámos ao Slack. É a aplicação onde centralizamos todas as tarefas do dia-a-dia. Os canais públicos e os grupos restritos ajudam-nos a discutir e operacionalizar tarefas editoriais e de gestão. Disponível para computador e telemóvel, o Slack permite-nos conversar em threads para manter tudo organizado, fazer chamadas e videochamadas quando é preciso, trocar mensagens privadas, usar bots que automatizam determinadas tarefas e saber onde cada um anda através de estados e emojis junto aos nossos nomes. Usamos a versão gratuita do Slack, cuja limitação principal é dar-nos acesso apenas às conversas mais recentes.

Trello: tudo organizado

Saber todas as tarefas pendentes, fazer um acompanhamento esquematizado de todos os clientes, estruturar ideias editoriais e artigos pendentes, listar recursos e ferramentas que usamos recorrentemente e organizar palavras-passe seriam coisas bem mais complicadas se não tivéssemos tudo centralizado num mesmo local, ao qual todo o núcleo do Shifter pode aceder. O Trello ajuda-nos precisamente nisso. Disponível para computador e telemóvel, o Trello é uma plataforma tão versátil que qualquer um pode dar-lhe o uso que quiser e inventar novas utilizações. A maioria das funcionalidades são gratuitas.

Google Drive: documentos sempre acessíveis

Facturas e recibos, mapa de folgas e férias, calendários editoriais, materiais de comunicação, conteúdos para redes sociais, propostas comerciais, recursos internos… O Google Drive permite-nos ter todos os nossos ficheiros e documentos na nuvem, acessíveis em qualquer lado e em qualquer dispositivo, e partilhados entre todos nós (e sempre actualizados). A edição colaborativa e em tempo real de documentos de texto, folhas de cálculo e apresentações (ou seja, a suite Google Docs, Google Sheets e Google Slides) é a principal vantagem do Google Drive relativamente a concorrentes como a Dropbox.

Facebook Business Manager: o Facebook sem distracções

O Facebook “tradicional” está cheio de distracções, do News Feed sempre com actualizações novas às notificações sempre a aparecerem. Por isso, em vez de usarmos o Facebook “normal” para gerir a nossa página, o grupo, os anúncios e as apps, criámos uma conta do Shifter, partilhada pela equipa, no Business Manager, a plataforma do Facebook para gerir negócios e marcas na rede social. O  Business Manager permite-nos ter todas as ferramentas centralizadas e fazer uma gestão mais focada. Assim, no dia-a-dia, não precisamos de abrir o Facebook “pessoal”. No telemóvel, usamos as aplicações Pages Manager e Ads Manager para gerir as nossas contas.

TweetDeck: o Twitter em esteroides

O Twitter é um mundo e quando começamos a explorá-lo vamo-nos apercebendo de todas as suas particularidades. Apesar de o Twitter “normal” ser bastante bom, o TweetDeck é uma aplicação (apenas para computador) que nos permite acompanhar, em tempo real, determinadas palavras-chave ou hashtags, bem como fazer coisas como agendar tweets. A organização em colunas facilita ainda o seguimento de menções da nossa conta, respostas a tweets nossos e mensagens directas que nos enviam.

Discord: uma experiência

Dadas as limitações da versão gratuita do Slack, começámos a experimentar com o Discord, uma aplicação para computador e telemóvel que ganhou popularidade no mundo do gaming (e da extrema-direita norte-americana) e que se destaca por ser 100% gratuita. Ao contrário do Slack, permite ter canais de texto e canais de voz. Os canais de voz são grupos onde as pessoas se podem juntar para falar, sendo que, uma vez estando lá, os outros membros activos podem ouvir o que estamos a dizer se também entrarem no canal. É possível definir um atalho no teclado para que o nosso microfone esteja activo apenas quando pressionamos essa tecla ou teclas. Uma desvantagem do Discord relativamente ao Slack é, nos chat de texto, as mensagens aparecerem todas em sequência, não sendo possível organizar discussões numa mesma thread.

WordPress: o nosso esqueleto

Não é fácil disfarçar, por isso, possivelmente já sabes que o Shifter é baseado em WordPress. O WordPress é uma plataforma gratuita e aberta que 30% dos sites online utiliza e que, além de bastante simples e intuitiva, tem inúmeras integrações com temas, plug-ins e não só. Criando um domínio e comprando um plano de alojamento web, basta instalar o pacote básico do WordPress para começar a montar um site ao nosso gosto. Com o WordPress podemos criar praticamente tudo e é por isso também a nossa escolha de futuro – o esqueleto do Shifter.