Snapchat tropeça em tweet de Kylie Jenner e desvaloriza mais de mil milhões

Kylie Jenner tweetou sobre a nova actualização do Snapchat e a bolha rebentou.

inúmeros factores que influenciam a estabilidade, crescimento e queda da bolsa, nomeadamente o modelo da oferta e da procura. Porém, não podemos ser lineares ao ponto de desvalorizar influências exteriores como a de celebridades como Kylie Jenner, que de maneira directa ou indirecta – e dependendo do grau de popularidade – afectam o funcionamento do mercado.

No final do ano passado, o Snapchat revelou um redesign que separou os teus amigos dos conteúdos públicos, de influenciadores e publicações. A actualização chegou quase de imediato aos utilizadores portugueses da aplicação, mas só no início deste 2018 é que nos Estados Unidos começou a ser sentida, recebendo avaliações bem negativas.

As reacções fizeram-se notar quando mais de um milhão de pessoas assinaram uma petição para pedir ao Snapchat a reversão da actualização e o “velho Snap” de volta. O CEO da Snap, empresa dona do Snapchat, desvalorizou as críticas, referindo que é uma questão de hábito, e as pessoas só precisam de tempo.

Mas… e quando uma crítica destas é feita por uma celebridade? Na semana passada, Kylie Jenner tweetou para os seus 24,6 milhões de seguidores o seu descontentamento perante o redesign. “Então, mais alguém deixou de utilizar o Snapchat? Ou sou só eu..? Ugh, isto é tão triste”, escreveu no Twitter, acompanhado a mensagem por outro tweet: “Ainda te amo, porém, Snap… Meu primeiro amor.”

Ora, estas declarações tiveram um impacto imediato na bolsa. Em 24 horas deu-se uma desvalorização de cerca de 1,05 mil milhões de euros, segundo a BBC e a CNN. A empresa norte-americana teve uma queda na bolsa de Wall Street de 6% que fez regredir o preço das acções para um valor bastante próximo ao que tinham quando o Snapchat entrou na bolsa – à volta de 13 euros e 80 cêntimos.

A resposta de Evan Spiegel, considerado o terceiro CEO mais bem pago de sempre segundo o TechCrunch com 638 milhões de dólares no ano passado, diz que o redesign do Snapchat foi feito para os teus amigos, e as celebridades não são teus amigos”.

Durante o Goldman Sachs Technology Conference, que decorreu na semana passada, em São Francisco, Even  referiu que os algoritmos usados no Snapchat separam as secções da aplicação para criar uma divisão entre os conteúdos dos teus amigos e os conteúdos mediáticos e das celebridades: “Algumas das críticas que nós vemos reforçam esta filosofia. Por exemplo, uma deslas dizia ‘wow, eu sentia-me como se determinada celebridade fosse minha amiga e agora não o sinto mais.’ E nós dizemos, ‘exacto. Ela não é tua amiga!’ Portanto, para nós, algumas das frustrações que estamos a ver, validam estas mudanças.”

Como o valor do Snapchat vem maioritariamente da especulação, e a especulação está ancorada à utilização da app por parte das celebridades, não é difícil ver que a “bolha rebentou”. Ter uma celebridade a tweetar e a abanar a bolsa poderia fazer despertar empresa, mas isso não seria motivo suficiente para afectar de forma tão drástica a rede social. Se uma companhia não está a fazer dinheiro suficiente–- contrariamente à especulação sobre o que poderia ganhar –, abraça uma posição de precariedade.