Quem é Rupi Kaur, a poetisa que assaltou o Instagram?

É considerada a rainha dos Instapoets. Aos 25 anos foi considerada uma das autoras mais populares dos EUA e tudo começou com poemas de 4 linhas publicados no Instagram.

rupi kaur Instagram

Entrou de mansinho pelo teu feed, com os seus poemas inspiracionais, simples de perceber e interiorizar, altamente fotogénicos. Rupi Kaur tem 25 anos e uma história que a exilou na escrita — a forma que arranjou de lidar com o amor, a perda, o abuso infantil e, finalmente, a cura. Nasceu na Índia, emigrou com os pais para o Canadá, e é tão filha do mundo globalizado de hoje, como fruto da era digital que o acompanha.

É que, o que talvez não saibas é que foi no Instagram que agora se enche de fotografias dos seus poemas que tudo começou. Os poemas que agora lês nas fotos tiradas pelas tuas amigas que já compraram os livros de Kaur, começaram mesmo por ser publicados pela própria na sua página. Foi lá, e no Tumblr, que começou a sua carreira como Instapoet. Sim, porque praticamente em sua homenagem foi criado um termo para se referir a esta nova geração de poetas, que usa a rede social para encontrar os seus públicos e audiências.

3 years ago today i self-published 'milk and honey'. as i sat on that kitchen table putting it together i did not dare envision that we'd be here today. could never have imagined that this book would change the course of my life so drastically. my intention was to share an intimate part of myself with my readers (shoutouts to my day ones!!!). i thought that we'd sell a few copies (meaning my friends would purchase them to make me feel better 😙). and then i'd finish my undergrad. find a job or move onto my masters. but like all the best laid plans—they came to a halt. i could never have imagined that over 2 million of you would own a copy. that today it would still be sitting on the new york times bestsellers list. at #2!! right behind #thesunandherflowers !!!!?!whatislife 😩🙏🏽 i spend everyday grateful. trying to focus on love. learning. asking myself how i can do better. be better. how i can share with those around me. i am blessed to have your love and support. i am blessed to be able to do this. thank you. i hope to always stay grounded and honest with my artistic expression. thank you for your unparalleled and magnetic belief and strength ❤

A post shared by rupi kaur (@rupikaur_) on

Embora tenha trilhado o seu caminho com palavras, a sua fama inicial no Instagram não teve nada a ver com a sua poesia. Há três anos, Kaur publicou uma fotografia sua deitada numa cama de costas para a câmara, com as calças sujas de sangue menstrual. A rede social removeu a imagem — tirada para um projecto da faculdade através do qual Kaur tinha que “desafiar um tabu”.

O caso teve muito eco e o site acabou por se desculpar e publicar a foto, mas não sem antes Rupi escrever uma carta no Facebook onde falava em censura, partilhada mais de 18 mil vezes. A sua resposta foi viral e cedo começou a dar entrevistas para publicações como o The Huffington Post ou a Vice sobre a necessidade de “desmistificar o período”. Em entrevistas mais recentes, Kaur diz que agora desejava nunca ter escrito aquela carta — curioso, pois foi assim que ganhou grande parte dos mais de 2 milhões e 200 mil seguidores que tem hoje no Instagram. Diz ter recebido ódio de todos os cantos do planeta mas assume que beneficiou a sua carreira: “Eles vieram pela foto, mas ficaram para a poesia.”

thank you @instagram for providing me with the exact response my work was created to critique. you deleted a photo of a woman who is fully covered and menstruating stating that it goes against community guidelines when your guidelines outline that it is nothing but acceptable. the girl is fully clothed. the photo is mine. it is not attacking a certain group. nor is it spam. and because it does not break those guidelines i will repost it again. i will not apologize for not feeding the ego and pride of misogynist society that will have my body in an underwear but not be okay with a small leak. when your pages are filled with countless photos/accounts where women (so many who are underage) are objectified. pornified. and treated less than human. thank you. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀ ⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀ ⠀ ⠀⠀⠀ ⠀ this image is a part of my photoseries project for my visual rhetoric course. you can view the full series at rupikaur.com the photos were shot by myself and @prabhkaur1 (and no. the blood. is not real.) ⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀ ⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀ ⠀ i bleed each month to help make humankind a possibility. my womb is home to the divine. a source of life for our species. whether i choose to create or not. but very few times it is seen that way. in older civilizations this blood was considered holy. in some it still is. but a majority of people. societies. and communities shun this natural process. some are more comfortable with the pornification of women. the sexualization of women. the violence and degradation of women than this. they cannot be bothered to express their disgust about all that. but will be angered and bothered by this. we menstruate and they see it as dirty. attention seeking. sick. a burden. as if this process is less natural than breathing. as if it is not a bridge between this universe and the last. as if this process is not love. labour. life. selfless and strikingly beautiful.

A post shared by rupi kaur (@rupikaur_) on

Esta sua leva de popularidade levou eventualmente à publicação do seu primeiro livro. Lançado originalmente pela própria na Amazon, tornou-se tão famoso que não passou despercebido no mundo editorial e os seus direitos foram adquiridos. Milk & Honey foi para Kaur uma história de sobrevivência através da poesia, um guia de sobrevivência para os seus conterrâneos millennials, escrito do alto dos seus 21 anos. O seu livro de estreia vendeu mais de 1 milhão e 600 mil cópias em 2017 e Rupi foi mesmo considerada a autora mais popular dos Estados Unidos, com feitos conquistados como ter Milk & Honey no número um da lista de livros do New York Times.

Contrariando a ideia de que já ninguém lê poesia, Rupi Kaur tornou-a pop, com grande parte da sua convicção a vir de uma espécie de vulnerabilidade pouco artística e da vontade meio ingénua de desbobinar tudo o que tem em mente — aquilo que o New York Times descreveu como “um cruzamento entre Charles Bukowski e Cat Power”.

Mas um poeta com popularidade mainstream é tão raro hoje em dia, que leva muitos a questionar se não haverá algo de errado em definir o trabalho de Kaur dessa forma. Como em tudo, para cada fã fervoroso há um crítico de teclado. O seu estilo de versos livres e fragmentados fazem-na presa fácil para os mais cépticos. Várias críticas acusam o seu trabalho de ser demasiado simplista, à lá Gustavo Santos, traçando comparações com a realidade portuguesa — o seu poema “If you are not enough for yourself / you will never be enough / for someone else” teve mais de 180 mil likes no Instagram.

Rupi Kaur traça uma linha ténue entre a acessibilidade e o demasiado simples, que acaba por levar muitos dos seus poemas na direcção da segunda. Kaur não acha que a sua poesia seja simples. Para si, é directa: “É como um pêssego. Tens que remover tudo para chegar ao que interessa. A arte deve ser acessível às massas e quando começamos a adaptá-la de forma a torná-la imperceptível para as pessoas, aí é que há um problema. Para quem é que criamos arte afinal? “

A juntar ao vai e vem de haters, outra Instapoet, Nayyirah Waheed, veio recentemente acusar Kaur de plágio e de ignorar as suas mensagens sobre as semelhanças entre os seus trabalhos. À parte das alegações, a verdade é que ambas as escritoras encontraram uma fórmula vencedora: peças curtas e confessionais, com quebras de linha erráticas para marcar verdades relacionáveis com quem não consegue muitas vezes exprimi-las. 

O feed de Kaur é imaculadamente desenhado, uma espécie de tabuleiro de damas dos seus poemas — todos em minúsculas, muitos com as suas ilustrações — que alternam com fotografias, quase todas profissionais. Os seus livros aparecem geralmente publicados pelos fãs em fotografias ao lado de figos, canecas de chá, entre lençóis brancos cuidadosamente amarrotados, paisagens de nuvens, no colo de coxas nuas ou debaixo de ramos de flores. O design mate da capa de Milk & Honey e a simplicidade do de The Sun and Her Flowers, apoiados pelos desenhos lineares e as letras minúsculas, transmite a mensagem “Estou a ler um livro!” com a franqueza e candura de poucos — com uma pitada feminista tão requerida hoje em dia.

Toda a sua existência digital assenta como uma luva no termo que se tornou o seu reino. Não é por acaso que se tornou um verdadeiro fenómeno. Rupi Kaur é profunda e verdadeiramente uma poeta de Instagram. À maneira do meio onde o difunde, o seu trabalho é experiência humana, ordenada e monetizada, tornada inspiradora e relacionável num equilíbrio perfeito. Os seus poemas são, na sua maioria, curtos o suficiente para se encaixarem no quadro quadrado do Instagram e os seus sentimentos e emoções genéricos o suficiente para serem universalmente reconhecíveis.

Previous oBike chega a Lisboa com 350 bicicletas partilhadas
Next Minerar criptomoedas e, assim, ajudar crianças na Síria — uma ideia da UNICEF