Rádio Defusão: dos estúdios da escola para os da Antena 3

Programa de rádio nasceu na rádio da Escola Superior de Comunicação Social. Já foi gravado em casa e hoje, 8 temporadas e 250 emissões depois, é feito nos estúdios da RTP e disponibilizado online, em formato podcast. É um programa de música, mas não igual aos outros.

Em 2009, alunos da Escola Superior de Comunicação Social (ESCS) juntaram-se para criar uma rádio universitária. Um ano mais tarde, nasceu a ESCS FM e um dos programas que viria a marcar toda a uma primeira geração da jovem rádio – o Rádio Defusão. Hoje, o programa assume a forma de podcast e é gravado semanalmente nos estúdios da Antena 3. Os anfitrião é o mesmo de sempre – Fábio Vieira Fernandes –, que conta com a companhia em estúdio da Rita Miranda e da Catarina Nunes. Lançaram recentemente o seu 250º programa.

“Quando entrei para a ESCS, em 2009, estava o Nuno Moreira a dar início à ESCS FM e eu e um colega meu, o Diogo Andrade, mostrámos-nos interessados”, recorda Fábio, enquanto, num dos estúdios da RTP, preparava a gravação do 250º programa com a Rita (conhecida, entre amigos, como Mimi) e a Catarina, duas ex-colegas da ESCS. Quando a ESCS FM começou no final de Outubro de 2010, o Rádio Defusão começou também. Logo na primeira semana de emissões”, conta.

Há oito anos no ar

Desde 2010, o Rádio Defusão foi mudando, fruto da disponibilidade e vontade dos seus autores, e da experiência acumulada ao longo dos muitos programas já feitos. O formato está hoje mais limpo, considera Fábio, mas a promessa é a mesma de há oito anos e que pode ser lida no manifesto assinado pelo Fábio e pelo Diogo (e que está disponível aqui).

Difusão da fusão. Difusão como nos tempos em que a rádio difundia, não confundia.

Pertencemos a uma faixa geracional que (ainda) acredita no papel que a rádio pode ter enquanto meio de divulgação musical. Gravávamos os programas de que mais gostávamos em cassetes, antes de se imaginar que um dia a música seria roubada através da internet.

A nossa ambição com este projecto é voltar aos tempos em que a rádio não estava refém das editoras, em que não existiam playlists pré-programadas, em que os animadores e locutores possuíam liberdade de escolha e, por norma, bom gosto.

Música pela música e pelo que ela desperta em cada um de nós. Música de vários quadrantes, de vários países, feita por pessoas bonitas ou feias, politicamente correctas ou não. A hipocrisia não cabe neste espaço, pelo que recusamos ser formatados e, simultaneamente, recusamos formatar.

A nossa aposta passará inevitavelmente pela prata da casa (a muita música portuguesa de indiscutível qualidade que nem sempre vê os focos da ribalta apontados para si), mas almejará, sobretudo, a pluralidade, a diversidade e a fusão de estilos.

Esperamos que escutem, que gostem e que divulguem. Até porque pode ser que isto sirva para dar o salto para um emprego a sério no futuro, e um gajo precisa de dinheiro.

Obrigados.

Um programa de música com conversa à volta dela

“No fundo é, um programa de música e é conversa à volta dessa música. Somos nós e os convidados a escolher música e falar sobre música e o que surgir.” Cada emissão do Defusão é marcada pela rubrica 5 Cêntimos. “Temos um tema por semana e damos 5 escolhas – o que nós chamamos 5 cêntimos – sobre esse tema, podem ser canções, álbuns, artistas, concertos… Gostamos de jogar isso com os artistas e, em vez de nos darem 5 cêntimos sobre um tema, dão-nos 1 cêntimo sobre 5 temas, explica. Os temas são aleatoriamente sorteados através de uma base de dados própria e podem ir desde “artistas cujo nome inclui a designação de um animal” a “álbuns do ano 1991”, ou também “canções para ouvir quando se está irritado” ou “videoclipes a preto-e-branco”.

(Podes jogar o 5Cents também em casa, bastando, para tal, ir a este link escondido no site do programa. Cada vez que acedes ou actualizas a página, aparece um tema diferente.)

O Rádio Defusão é um programa de música com músicos, mas não existe um convidado todas as semanas, como, aliás, aconteceu na última emissão, a número 250. “Vamos nós jogar a rubrica 5 Cêntimos, ou seja, vamos estar aqui a lançar temas uns aos outros e dizer a primeira coisa que nos vier à cabeça”, adianta o Fábio. “Que vai ser nada”, acrescentou Rita, rindo-se. “Vai ser uma emissão divertida, porque temos cá o João Carvalho e a Inês Marques. E é bom termos o estúdio cheio de gente e ser uma conversa descontraída entre amigos.”

Rita Miranda e Catarina Nunes no Rádio Defusão

250 episódios e continua a contar

O 250º episódio do Rádio Defusão já pode ser escutado no site do programa, estando também disponível no iTunes. O podcast é disponibilizado semanalmente à sexta-feira. “Estas emissões especiais são sempre fixes para quebrar um bocado a rotina e fazer algo diferente”, acrescenta o anfitrião do programa. Dá como exemplos o primeiro episódio do ano – “são os 5 cêntimos do ano anterior” – ou a emissão de aniversário – “é uma oportunidade para estarmos os três, pois normalmente organizamos-nos por duplas, e tentamos fazer sempre algo diferente”.

Para o 251º programa, que é lançado esta semana, o convidado será Sérgio Godinho. Pelo Defusão já passaram dezenas de artistas. Samuel Úria, Slow J, Dealema, NBC, Carlão, Benjamim e Francis Dale são alguns dos nomes que Fábio, Rita e Catarina recordam com alguma nostalgia. “É uma mistura entre novidades, músicos que tentamos apanhar antes de serem conhecidos, e artistas mais congradados. E uma mistura entre coisas que nós convidamos e outras que nos vão propondo”, refere Fábio. Procuram não ter apenas artistas mas essencialmente pessoal ligado à música, seja porque trabalham com ela ou porque gostam muito dela, e que as conversas fujam dos cânones tradicionais. Os convidados são vistos não como entrevistados mas como companheiros no programa e, às vezes, são eles a conduzi-lo.

Amanhã, a 7.ª temporada do Rádio Defusão chegará ao fim. E vai ser incrível. #TakeoverDefusão

Publicado por Rádio Defusão em Quarta-feira, 14 de Junho de 2017

Convidados especiais, momentos especialíssimos

“No ano passado, lancei ao Benjamin o desafio de ser ele a conduzir a emissão. Era dele e a mesa, e podia fazer o que quisesse”, recorda, assim, Fábio a emissão que encerrou a 7ª temporada, antes do Verão. “Os convidados fui eu, o António Vasconcelos Dias, que toca com ele, o João Vaz Silva, que é o manager dele, e o Noiserv. Foi uma emissão live-on-tape, ele a pôr música de CDs. Tocou um acústico com o António. E foi altamente. Ficou a promessa de este ano acontecer, mas com vinis. Portanto, daqui a uns meses, depois de passar o Festival da Canção, vou recordá-lo disso e espero que em Junho acabar esta temporada novamente com o Benjamin aos comandos.”

Não só de artistas portugueses se faz o Defusão. Os libaneses Postcards são agora “amigos da casa” e foram uma sugestão do Francis Dale, que numa noite, depois de um concerto de novos talentos, calhou oferecer ao Fábio um EP, dizendo que ia gostar daquilo. “Cheguei a casa nessa noite, fui ouvir e falei com o manager deles. A banda estava cá para uma digressão de 10 dias, já estava cá nessa altura. E consegui que viesse cá na segunda de manhã. Gravaram um acústico e foi uma conversa assim meio improvisada”, conta. “Entretanto, voltaram cá duas vezes e já são amigos da casa. Têm disco novo agora, o primeiro álbum, depois de uma série de EPs.”

Acústicos que nem sempre são acústicos

Os Acústicos Defusão são, a par do 5 Cêntimos, outro dos destaques do Rádio Defusão. “Sempre que os convidados são músicos e aceitam o desafio, ouvimo-los a tocar. Nem sempre é acústico. Foi um infeliz nome que demos na ESCS FM. Se fosse hoje, daríamos outro nome”, diz, explicando que começou por ser um momento do programa feito só com uma simples guitarra, mas que ao longo do tempo os músicos começaram a aparecer em estúdio com mais instrumentos. Peço às bandas que tragam a versão mais crua e despida possível, nem sempre dá.” Os momentos musicais – em acústico ou não – são gravados também em vídeo e disponibilizados depois no canal de YouTube do Defusão.

O Rádio Defusão vai continuar a ser gravado nos estúdios da RTP, apesar de assumir hoje apenas o formato de podcast. O programa, contudo, já fez parte da grelha da webrádio Antena 3 Rock, que foi descontinuada aquando da reformulação da mãe-Antena 3 no final de 2015. Fábio, Rita e Catarina sentem-se gratos por a Antena 3 continuar a permitir a gravação do programa nas suas instalações e quem sabe se o Defusão não integrará, no futuro, uma eventual programação web de rádio da RTP, à semelhança do que já acontece em televisão, com webséries como #CasaDoCais ou Subsolo. Entre a ESCS e a Antena 3, o Defusão teve uma temporada feita em casa. “Foi uma mudança grande. Comprámos material e gravámos em casa.”

A equipa do Rádio Defusão. Da esquerda para a direita: Fábio Vieira Fernandes, Rita Miranda e Catarina Nunes

Da ESCS para a Antena 3, com passagem por versão caseira, foram oito anos em que o Defusão provou ser difícil de abalar. O projecto promete continuar com convidados sempre surpreendes e tu podes acompanhar no site oficial, no Facebook e no Twitter.