oBike chega a Lisboa com 350 bicicletas partilhadas

Sistema funciona por pontos, que ganhas ou perdes consoante o teu comportamento. Se tiveres pelo menos 80 pontos, irás pagar 50 cêntimos por uma viagem de 30 minutos.

oBike Lisboa
Algumas bicicletas da oBike no Cais do Sodré

De Singapura para Lisboa, chegou a oBike – um novo serviço de bicicletas partilhadas, sem estações fixas. São 350 bicicletas que estão disponíveis, a partir desta quarta-feira, junto ao Rio Tejo, entre Belém e Santa Apolónia. Cada viagem de 30 minutos custa 50 cêntimos.

A oBike vai concorrer com a Gira, o sistema de bicicletas partilhadas lançado pela EMEL e pela Câmara Municipal de Lisboa, e com a Ofo, uma alternativa que chegou no final do ano passado a Cascais e que deverá estrear-se nesta Primavera em Lisboa. “Vamos começar com 350 bicicletas em Lisboa e depois vamos ver como as coisas correm. Esperamos que tudo corra muito bem, porque vamos ter as bicicletas perto do rio, que é uma zona muito plana da cidade, explicou Assaf Amit, responsável pela oBike em Portugal, ao Dinheiro Vivo.

Screenshot da app do oBike

As bicicletas da oBike poderão ser encontradas em determinados pontos de parqueamento – podes vê-los neste mapa. Para pegar numa bicicleta destas, o primeiro passo é descarregar a app (iOS e Android) e fazer o registo. Depois basta reservar uma bicicleta (a reserva dura 10 minutos) e, chegando ao pé dela, digitalizar o código QR que está por cima da roda traseira para a desbloquear. Quando terminares a viagem, tens de bloquear a bicicleta na parte traseira e podes deixá-la onde quiseres (não necessariamente na zona ribeirinha).

O código QR que tens de ler com a aplicação para desbloqueá-la

O pagamento é feito por cartão de crédito. Antes de fazeres qualquer viagens, tens de carregar a conta da oBike e pagar a caução, que, nesta fase inicial, é de 5 euros – este valor é-te devolvido depois. O custo da viagem dependerá dos pontos que tens na tua conta. Ou seja, se tiveres pelo menos 80 pontos, irás pagar 50 cêntimos por uma viagem de 30 minutos; com menos de 80 pontos, o custo será de 5 euros. Cada conta tem 100 pontos inicias e estes são ganhos ou perdidos consoante o comportamento do utilizador. Por exemplo, se estacionares mal a bicicleta ou te esqueceres de a bloquear depois da utilização, vais perder 20 pontos. Se desrespeitares as regras de trânsito, ficas com 0 pontos. Se partilhares a tua viagem com os amigos no Facebook ou reportares defeitos na bicicleta, és premiado.

Screenshot da app do oBike

As 350 bicicletas disponíveis agora em Lisboa apresentam uma construção mais frágil relativamente à Gira, por exemplo, e baseada em plástico. Não têm mudanças, pelo que podes andar apenas a uma velocidade. Há uma campainha no guiador do lado direito. O cesto na parte da frente está preparado para uma carga até 15 kg. Tens ainda iluminação frontal e traseira.

A campainha numa bicicleta da oBike

A fase de testes em Lisboa durará 3 a 6 meses, segundo Assaf Amit. Depois desse período, a empresa irá avaliar a expansão para outras cidades e a introdução de bicicletas com assistência eléctrica, conforme conta o Dinheiro Vivo. A oBike, start-up fundada na Singapura no início de 2017 e que obteve 45 milhões de dólares em financiamento no Verão passado, está disponível em 24 países e 60 cidades na Europa e Ásia.

Previous UNICEF detectou 80 casos de mutilação genital feminina em Portugal num só ano
Next Quem é Rupi Kaur, a poetisa que assaltou o Instagram?