Fantasporto arranca amanhã com o “orçamento mais baixo de sempre”

Entre 20 de Fevereiro e 4 de Março, o Teatro Rivoli recebe mais de 100 filmes inéditos com menos "cerca de 40%" do investimento do que em 2017. A direcção deixa críticas à "discrepância" de apoios do ICA.

Fantasporto Cartaz

Num retrato perfeito daquilo que é o investimento na Cultura portuguesa nos últimos anos, a 38.ª edição do Festival Internacional de Cinema Fantasporto arranca amanhã, com o “orçamento mais baixo de sempre”, inferior a cem mil euros, menos “cerca de 40%” do que em 2017. Os números são do director Mário Dorminsky, responsável da cooperativa Cinema Novo, organizadora do festival, que numa conferência de imprensa de antecipação do evento deixou duras críticas ao Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) pela forma como distribui apoios.

Mário Dorminsky revelou que, para 2018, o apoio do ICA ao festival foi de “cerca de 48,9 mil euros” (em 2017 foi de 49,6 mil euros) e que “está abaixo dos 100 mil euros”, o orçamento geral de um festival que continua com um “grande reconhecimento e força internacionais”, tendo recebido “filmes de 60 países para a competição”.

O responsável lembrou que, “por trás disto está a estrutura da Cinema Novo, que actualmente tem um funcionário.” “Os apoios de que estamos a falar são em concreto para o festival. A margem que temos é a dos patrocinadores. Tirando isso, não era possível a estrutura continuar“, lamentou Dorminsky. “Há coisas que não aceito. Não aceito que o ICA tenha 700 mil euros para dar a 20 festivais e um milhão de euros para dar a um filme de animação. Isso está a acontecer neste momento”, criticou. Dorminsky referiu ainda que as “discrepâncias muito grandes” existentes em Portugal, entre festivais com vocações diferentes, prejudica os festival e acaba por matá-los, “como aconteceu ao da Figueira da Foz ou de Tróia.”

“Como mantemos a qualidade e dimensão do festival com o orçamento mais baixo de sempre? Tem muito a ver com a força internacional do Fantasporto. Temos tido uma média de 200 convidados estrangeiros. No ano passado oferecemos viagem e hotel a todos os europeus. Este ano bloqueamos as viagens e o hotel é só para o realizador e apenas por quatro dias. Este foi um dos cortes que foram feitos”, descreveu.

Para Dorminsky, a situação “não teve um efeito negativo na vinda das pessoas, mas em termos de imagem é negativo”. “Esperemos que não mate o Fantasporto”, disse.

Até 4 de Março, o teatro Rivoli acolhe na área de competição do evento filmes como Al Asleyeen, uma “superprodução egípcia”, o coreano True Fiction, Uma Vida Sublime, do português Luís Diogo, Ajin-Demi Human, da Toho, “a maior companhia de cinema do Japão” ou A Comédia Divina, do Brasil.

O tema da edição deste ano é a Ética. A abertura do evento, no dia 20, cabe a Marrowbone, de Sérgio Sanchez, com Charlie Heaton de Stranger Things. No dia 23, abre a competição, com a exibição de Anna Karenina: Vronsky’s Story, de Karen Shakhnazarov, realizador já distinguido no festival e homenageado na edição de 2012. A sessão de encerramento, no dia 3 de março, vai contar com a exibição de Le Fidèle, de Michael R. Roskam, o filme que foi o candidato belga ao Óscar de melhor filme estrangeiro, que conta com Adèle Exarchopoulos (La Vie de Adèle) num dos papéis principais..

O Fantasporto vai também ser palco de três antestreias mundiais de filmes portugueses, com a apresentação de Uma Vida Sublime, de Luís Diogo dia 25 de Fevereiro, às 19h00), Doutores Palhaços, de Bernardo Lopes e Helder Faria a 3 de março às 15h30), e Aparição, de Fernando Vendrell, a partir do romance com o mesmo nome de Vergílio Ferreira, exibido a 1 de Março às 19h00).

O festival vai homenagear Lauro António projectando a sua primeira longa-metragem, Manhã Submersa na tarde de 3 de Março, às 18h30, e contar com oito universidades e escolas de cinema, no prémio de Cinema Português.

O 38.º Fantasporto realiza também uma retrospectiva do realizador de Taiwan Chang Tso-Chi e uma mostra do que classifica como “Taiwan B-Movies”, dos anos 1970 e 1980.

O festival vai também exibir Dream Demon, no 30.º aniversário daquele que é um marco no cinema de horror britânico, com a presença do realizador Harley Cokeliss, dia 24 de Fevereiro, às 23h00.

São mais de 100 filmes que valem a tua visita. Os bilhetes já se encontram à venda. O bilhete simples custa 5€, um bilhete duplo para a mesma sessão custa 8€ e o bilhete de estudante custa 3,75€. Os passes, com acesso a todos os filmes e programação do festival, têm o custo de 100€. O programa completo da edição de 2018 do Fantasporto já pode ser consultado aqui.

Competição – Longas-metragens

Ruin Me, de Preston DeFrancis – ANTRESTREIA EUROPEIA
Living Among Us, de Brian A. Metcalf – ANTRESTREIA MUNDIAL
Woman in Unit 23B (Ang Nanannagal), de Prime Cruz – INTERNATIONAL PREMIERE
Ilawod-The Water Spirit, de Dan Villegas – INTERNATIONAL PREMIERE
Ajin: Demi-Human, de Katsuyuki Motohiro
Les Affamés, de Robin Aubert
Still Born, de Brandon Christensen – ANTESTREIA EUROPEIA
Replace, de Norbert Keil
November, de Rainer Sarnet – REPRES OSCARES pela ESTÓNIA
A Day, de Sun-ho Cho – ANTESTREIA EUROPEIA
Involution, de Pavel Khvaleev – ANTESTREIA MUNDIAL
Glass Garden, de Shin Su-won – ANTESTREIA EUROPEIA
The Child Remains, de Michael Melski
DC Superheroes VS Eagle Talon, de Frogman – INTERNATIONAL PREMIERE
The Hollow Child, de Jeremy Lutter – INTERNATIONAL PREMIERE
A Comédia Divina, de Toni Venturi – ANTESTREIA EUROPEIA

Competição – Curtas-metragens

Reruns, de Rosto – ANTESTREIA EUROPEIA
Caronte, de Luís Tinoco
Creature from the Lake, de Renata Antunez, Alexis Bédué, Léa Bresciani, Amandine Canville, Maria Castro Rodriguez, Logan Cluber, Nicolas Grangeaud, Capucine Rahmoun-Swierczynski, Victor Rouxel, Orianne Siccardi, Mallaury Simoes
Yemanja, de Frédéric Gaudin, Marceau Leger, Tanguy Lemonnier, Patrick Martini, Diana Nikitina, Flora Silve
Azdaja – The Dragon, de Ivan Ramadan – ANTESTREIA EUROPEIA
The End of Time, de Milcho Manchevski
Sweet Water, de Drew Casson – INTERNATIONAL PREMIÈRE
In the Dark, Dark Woods, de Jason Bognacki
Merry-Go-Round, de lhor Podolchak
Belle à Croquer, de Axel Courtière
BEC, de Tony Morales – INTERNATIONAL PREMIÈRE
Zarr-Dos, de Bart Wasem
Storylines, de Juan Manuel Betancourt Calero – ANTESTREIA EUROPEIA
Salvatore, de Maarten Groen – INTERNATIONAL PREMIÈRE
A.L., de Cashell Horgan – ANTESTREIA MUNDIAL

28ª Secção Oficial Semana dos Realizadores – Prémio Manoel de Oliveira

Aparição, de Fernando Vendrell – ANTESTREIA MUNDIAL
Uma Vida Sublime, de Luís Diogo – ANTESTREIA MUNDIAL
Anna Karenina. Vronsky’s Story, de Karen Shakhnazarov
Bhoy Intsik, de Joel Lamangan – INTERNATIONAL PREMIERE
Budapest Noir, de Éva Gárdos –ANTESTREIA EUROPEIA
The Charmer, de Milad Alami
Bikini Moon, de Milcho Manchevski – ANTESTREIA EUROPEIA
Al – Asleyeen, de Marwan Hamed – ANTESTREIA MUNDIAL
True Fiction, de Jin-Mook Kim – ANTESTREIA MUNDIAL
The Butcher, The Whore and the One-Eyed Man, de János Szasz

18ª Secção Oficial Orient Express

True Fiction, de Jin-Mook Kim– ANTESTREIA MUNDIAL
Bhoy Intsik, de Joel Lamangan – INTERNATIONAL PREMIERE
Woman in Unit 23B (Ang Nanannagal), de Prime Cruz – INTERNATIONAL PREMIERE
Ilawod-The Water Spirit, de Dan Villegas– INTERNATIONAL PREMIERE
Ajin: Demi-Human, de Katsuyuki Motohiro
A Day, de Sun-ho Cho – ANTESTREIA EUROPEIA
Glass Garden, de Shin Su-won – ANTESTREIA EUROPEIA
DC Superheroes VS Eagle Talon, de Frogman – INTERNATIONAL PREMIERE

7º Prémios Cinema Português 2018

Competição – Curtas-metragens

Calipso, de Paulo A.M.Oliveira, Pedro Martins
Spin – Off, de Farid Salamé
Não Desculpo, de Sofia Almeida Ferreira, Pedro Marta
Entretons, de Luís Miranda
Qualquer Coisa de Belo, de Pedro Senna Nunes
Red Queen, de Adriana Martins da Silva, Pedro Martins

Competição – Longas-metragens

Uma Vida Sublime, de Luís Diogo – ANTESTREIA MUNDIAL
Aparição, de Fernando Vendrell – ANTESTREIA MUNDIAL
Doutores Palhaços, de Bernardo Lopes, Hélder Faria – ANTESTREIA MUNDIAL