E depois da Florida, uma equipa infantil de basebol nos EUA está a sortear uma arma

A arma em causa é igual à usada no tiroteio da semana passada em Parkland, Florida, e é o prémio final de uma venda de rifas para a equipa angariar fundos para as suas deslocações.

Se as notícias demasiado regulares de tiroteios e massacres em liceus e universidades norte-americanos não forem suficientes para percebermos quão enraizadas estão as armas na cultura dos Estados Unidos, eis que nos chega uma caricatura. Alunos do terceiro ano da cidade de Neosho, no estado norte-americano do Missouri estão a vender rifas para um sorteio cujo prémio final é uma espingarda AR-15, igual àquela usada no tiroteio da Florida.

Tratam-se de crianças de uma equipa infantil de basebol que organizou uma angariação de fundos para ajudar com as deslocações. Segundo o treinador das crianças de 7 e 9 anos, a arma de guerra que na última quarta-feira foi usada para matar 17 pessoas numa escola, não é um objecto fora do comum para financiar uma equipa infantil. Levi Patterson disse ao jornal Kansas City Star que quer transformar a campanha “em algo positivo” e o cartaz do sorteio foi mesmo partilhado pela directora da escola que as crianças da equipa frequentam.

Na mesma entrevista, o treinador disse que a angariação de fundos foi organizada antes do tiroteio em Parkland, Florida e que nenhuma das crianças da equipa está a ser “obrigada” a vender as rifas. Lamentou o tiroteio da semana passada mas refere que concursos com armas são normais nas cidades da zona oeste do Missouri.

O prémio foi concedido pelo pai de um dos jogadores, co-fundador de uma loja fornecedora de armas na cidade. Segundo o treinador, o massacre em Parkland, fez que a organização repensasse o sorteio, mas acabou por avançar, alegando a tradição local, apesar de todas as críticas de que tem sido alvo: “Eu aplaudo-os por lutarem naquilo em que acreditam. Só acho que têm uma visão desse tipo específico de arma muito diferente da que temos por aqui. Rifas de armas acontecem há anos. O mau sempre existiu e para sempre existirá.”

Desde a repercussão do caso, várias doações foram feitas, vindas até de outros estados, segundo o treinador. O vencedor desta AR-15 tem de ter pelo menos 18 anos e apresentar um histórico de antecedentes criminais.