As grandes tecnológicas que estão a investir em Portugal

Da Google à Amazon, sem esquecer empresas como a Uber, a Zalando, a Mercedes-Benz ou a Microsoft. Estas são as empresas de base tecnológica que vão/estão a investir no nosso país.

Tecnológicas Investimento Portugal
Foto de Hugo Sousa via Unsplash

Diversas empresas estrangeiras, nomes reconhecidos mundialmente, têm sido notícia em Portugal pelos seus investimentos no país. O caso mais recente foi o da Google – a multinacional prevê instalar em Oeiras um centro de gestão de fornecedores, focado nos mercados da Europa, Médio Oriente e África. A caminho pode ainda estar a Amazon, prevendo-se que a área metropolitana do Porto seja a escolha da gigante do comércio electrónico. Uber, Zalando e Mercedes-Benz são outras das empresas com investimento em solo nacional.

A localização de Portugal, o seu clima ameno, o ecossistema fervilhante de start-ups, a sensação de estabilidade e segurança, a atractividade turística e eventos como o Web Summit são alguns dos motivos que estarão na base da escolha do país para a instalação destes centros a que se juntam dados mais objectivos como a mão-de-obra barata e a prematuridade do tecido empresarial, comparativamente a outras capitais europeias.

Google

A Google já tinha escritórios de representação em Portugal, mas este ano contará com uma nova morada no parque empresarial Lagoas Park, em Oeiras. Serão cerca de 500 novos postos de trabalhos, a maioria relativa a posições de engenharia, avança o Governo português. Este centro da Google em Portugal terá como objectivo a gestão de fornecedores nos mercados da Europa, Médio Oriente e África, mas não existem mais detalhes. António Costa, Primeiro-Ministro, disse apenas que havia vários países a disputar este investimento da Google.

Zalando

Conhecida loja online de roupa, a Zalando vai instalar em Lisboa o seu terceiro centro tecnológico internacional. Terá engenheiros especializados em frontend e backend, gestores de produto e designers – serão inicialmente 50 trabalhadores mas o número pode chegar aos 150 até 2020. O investimento da empresa alemã está previsto para este ano. A equipa da Zalando em Lisboa estará focada no desenvolvimento da loja online, de apps móveis e na criação de ferramentas que permitirão a outras start-ups tirar partido do seu ecossistema de parceiros.

Uber

A tecnológica norte-americana viu em Lisboa a localização ideal para dar apoio a toda a Europa. O Centro de Excelência para a Europa promete criar 250 empregos directos até ao final deste ano e pretende ser um ponto central na formação de motoristas em toda a Europa e na melhoria de serviços, políticas e processos internos. O centro, já activo, serve ainda os utilizadores, motoristas e restaurantes do UberEATS, o serviço de entrega de comida associado à transportadora. A capital portuguesa foi escolhida pela Uber relativamente a Cairo, Cracóvia, Limerick e Paris.

Mercedes-Benz

O Hub Criativo do Beato vai ser, em Lisboa, um novo pólo de inovação e a Mercedes-Benz será uma das primeiras inquilinas. A fabricante alemã vai ajudar na reabilitação daquele antigo imóvel militar e instalar um centro digital, onde mais de uma centena de programadores irá trabalhar no desenvolvimento dos serviços digitais, plataformas online e aplicações da Mercedes-Benz, bem como em marketing e vendas. Este centro foi baptizado de Mercedes-Benz.io e é o primeiro centro de fornecimento de serviços digitais e de soluções globais de software da Daimler, dona da marca, a nível mundial. O Mercedes-Benz.io em Lisboa terá 150 especialistas.

Amazon

O interesse da Amazon em Portugal não é recente, mas a gigante do e-commerce parece estar agora à procura de “casa” no Porto. O Jornal de Negócios foi o primeiro a avançar que a Amazon estaria de olho aberto ao nosso país, encontrando-se a negociar um espaço na zona nobre da Boavista, no Porto. A mesma fonte indicou que a chegada da Amazon a Portugal poderá ser oficializada ainda no primeiro trimestre deste ano. A Câmara Municipal do Porto já confirmou, por seu lado, o interesse da Amazon na cidade. A empresa norte-americada liderada por Jeff Bezos há muito que tem dado sinais da aposta em Portugal, tendo lançado serviços como o Prime Video e o Music para os utilizadores portugueses, bem como disponibilizado as suas colunas Echo para envio nacional.

Euronext

Também no Porto está instalado um centro tecnológico da Euronext com espaço para 140 colaboradores. É o maior pólo da Euronext a seguir ao de França, que acolhe 200 pessoas. Este pólo estava instalado em Belfast, na Irlanda, mas foi realocado para a cidade Invicta – aqui é gerida a infra-estrutura tecnológica que faz mexer o Euronext, um dos maiores mercados bolsistas mundiais, e são criadas novas soluções na área dos serviços financeiros.

Pipedrive

Veio da Estónia para Lisboa, onde montou o seu terceiro escritório, depois da sede no país de origem e de uma localização nos Estados Unidos. A Pipedrive anunciou a contratação de 50 colaboradores até ao final do ano passado e prevê recrutar mais 50 neste 2018 – programadores frontend e backend, designers e especialistas em ferramentas de gestão de clientes são as funções que esta tecnológica, conhecida por desenvolver um software de gestão de relacionamento com os clientes (CRM), procura.

Vestas

A dinamarquesa Vestas, empresa especializada em aerogeradores para parques eólicos, decidiu instalar no Porto um centro de investigação de base tecnológica. O investimento rondará os 5-10 milhões de euros e vai criar algumas centenas de postos de trabalho, tudo isto até 2020. Até ao final de 2017, segundo os anúncios oficiais, terão sido abertas 80 vagas para cargos qualificados, sendo a perspectiva aumentar este número nos próximos dois anos. O Porto foi a cidade escolhida dentre uma lista 10 opções, onde também constava Lisboa. Numa primeira fase, a Vestas está na UPTEC, junto à universidade, mas a empresa dinamarquesa está à procura de uma localização própria, entre o Porto, Gaia e Maia, para instalar a sede portuguesa e assim fazer o grosso do investimento.

Fujitsu

Em 2016, a japonesa Fujitsu instalou em Braga um Centro de Competências que deu emprego a 300 pessoas e que serve de extensão ao Global Delivery Center, localizado desde 2008 em Lisboa. Localizado no Pólo de Negócios de Braga, o novo centro fornece suporte técnico a milhares de utilizadores da Fujitsu em quatro línguas (inglês, francês, espanhol e português), ajudando empresas de vários sectores a compreender os seus problemas com as TIC e encontrar rapidamente soluções. Já o Global Delivery Center, na capital, conta com mais 1200 pessoas ao serviço.

CGI

A CGI é uma empresa que, através da sua tecnologia, ajuda a estabelecer processos de negócio. Desde 2017 tem em Sintra um Cloud Innovation Center, de onde vão sair soluções e serviços baseados em nuvem para toda a Europa, contando com 80 engenheiros. No prazo de dois anos, este centro vai criar um total de 150 postos de trabalho. É o segundo centro mais importante da CGI a nível global, comentou, na altura, o Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

Huawei

Da China para Portugal, chegou a Huawei, para instalar no país mais um centro tecnológico. Através de uma parceria estratégica com a NOS, assinada em 2016, a Huawei prometeu desenvolver novas soluções nas áreas de redes e tecnologia a partir de Portugal, nomeadamente infraestruturas de comunicações, centros de dados, soluções de vídeo e outras. Note-se que a fabricante chinesa já marcava presença em Portugal, em Lisboa, com um centro de suporte tecnológico e uma equipa de mais de 100 pessoas.

Microsoft

O edifício da Microsoft no Parque das Nações, inaugurado em 2012, não deixa esquecer o investimento da multi-nacional norte-americana no nosso país. A empresa tem a funcionar um centro de suporte que dá apoio a toda a Europa, Médio Oriente e África. Este centro conta actualmente com 350 funcionários e é, juntamente com o centro na Roménia, o único a funcionar na Europa. A Microsoft investe cerca de 33 milhões de euros por ano só nesta unidade portuguesa.