Taxify: o novo concorrente da Uber e Cabify em Lisboa

A Taxify é um novo serviço de transporte que promete melhores condições aos motoristas que os seus concorrentes.

Taxify Lisboa

No que toca a transporte de passageiros em viaturas descaracterizadas (isto é, alternativas aos táxis), a Uber e a Cabify são os maiores operadores, mas ao longo dos últimos meses têm conhecido novos concorrentes. Depois da MyTaxi e da Chofer, esta última uma start-up portuguesa, eis que chega a Taxify – empresa nascida em Tallinn, capital da Estónia.

Disponível em mais de 20 países a nível global e com 5 milhões de utilizadores, a Taxify está disponível a partir desta quinta-feira em Lisboa com uma frota de 600 motoristas registados, prontos para aceitar viagens para qualquer sítio da capital e na área metropolitana envolvente, nomeadamente Sintra, Cascais e Vila Franca de Xira.

A Taxify foi fundada por Markus Villig aos 19 anos, quando era estudante do ensino secundário. Actualmente, quatro anos mais tarde, a Taxify é a plataforma de mobilidade com o mais rápido crescimento na Europa e em África. Markus já foi distinguido como o melhor jovem empreendedor da Estónia e reconhecido também já pelo conceituado ranking jovem da revista Forbes. Em Portugal, a Taxify será gerida por David Ferreira da Silva. Em comunicado, o responsável garante que “os motoristas podem receber um maior rendimento ao conduzir com a Taxify em comparação com outros concorrentes”, uma vez que “conseguimos garantir estas condições por cobrar uma comissão mais reduzida e pela oferta de recompensas de fidelidade aos motoristas”.

Markus Villig, fundador e director executivo da Taxify

Para começar a usar o Taxify, basta descarregar a app para iOS ou Android e fazer o registo. Existe apenas uma modalidade de viagem, com uma tarifa base de 1 euro, a que se juntam 0,60 euros/km e 0,10 euros/minuto. Para já, e até ao final de Janeiro, todas as viagens têm um desconto automático de 50% e durante este lançamento não será implementada tarifa dinâmica. O pagamento apenas pode ser feito com cartão de crédito (ou MB Way), mas no futuro poderão ser introduzidas outras formas de pagamento, nomeadamente PayPal.

 

A Taxify promete fazer da sua relação com os motoristas o seu ponto forte. Além de só ficar com 15% do valor das viagens, percentagem que está abaixo do praticado nos outros operadores, a empresa da Estónia oferece a possibilidade de horários flexíveis ou de o motorista fixar um raio de distância para aceitar viagens. De momento, existem 600 motoristas registados e mais de mil em lista de espera, garante a transportadora.

Previous Há um livro para crianças de Maya Angelou e Jean-Michel Basquiat
Next Uber chega hoje a Braga