Lisboa com as casas mais caras do país. Amadora regista maior aumento

Dados do INE relativos ao 3º trimestre de 2017 revelam que o valor mediano da habitação em Portugal é de 912 euros.

Preços casas Lisboa
Fotografia de Rui Silvestre via Unsplash

O município de Lisboa manteve, no 3º trimestre de 2017, o preço de venda de habitação mais elevado do país, segundo dados do INE agora divulgados. Cascais, Loulé, Lagos, Oeiras e Albufeira seguem a capital na lista de cidades mais caras para viver. Amadora foi onde as casas mais aumentaram de preço no período analisado.

Segundo informação do Instituto Nacional de Estatística (INE), partilhada esta segunda-feira, o preço por metro quadrado aumentou 16,4% no concelho da Amadora no 3º trimestre de 2017. Trata-se do maior aumento a nível nacional; ainda assim, Lisboa continua a ser a cidade mais cara em termos de habitação: 2315 euros é quanto custa, em média, o metro quadrado na capital – ou seja, mais que os 2231 euros registados no trimestre anterior e um aumento de 15,5% em relação ao período homólogo em 2016.

Marvila, a freguesia mais barata de Lisboa

Os preços do metro quadrado aumentaram em todas as freguesias de Lisboa com a excepção de Marvila, onde existiu uma quebra homóloga de 5,5% para 1550 euros, o valor mais baixo da cidade. O custo da habitação em Lisboa está acima da média nacional – segundo o INE, o valor mediano da habitação em Portugal é de 912 euros, mais 1,8% relativamente ao 2º trimestre do ano passado e mais 7% que em 2016.

Para compreenderes melhor a questão da habitação em Lisboa, recomendamos-te este artigo.

Em Cascais, a segunda cidade do país com casas mais caras, o metro quadrado é vendido a 1893 euros; em Loulé, fica a 1704 euros; em Lagos, a 1619 euros; em Oeiras, a 1572 euros; e em Albufeira, a 1524 euros. No total, são 41 municípios que apresentam um preço mediano de venda de habitação acima do valor nacional.

Na capital, a freguesia de Santo António, que inclui zonas como o Marquês de Pombal e a Avenida da Liberdade, registou um aumento de 46,1% no 3º trimestre, registando-se o preço por metro quadrado nos 3425 euros. Não é, contudo, a freguesia mais cara: 3440 euros é a média na zona do Cais do Sodré e Chiado, ou seja, estamos a falar da freguesia da Misericórdia.

Casas aumentam 14,1% no Porto

Já no Porto, os imóveis mais caros situam-se na união de freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde, onde custam agora 1801 euros (um aumento homólogo de 8,5%). O maior aumento na Invicta, todavia, deu-se na união de freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória – foi de 41% para 1445 euros. Campanhã continua a ser a zona mais barata: 786 euros por metro quadrado. No total da cidade, os preços de venda das casas custam 1254 euros, segundo dados do 3º trimestre de 2017 – um aumento de 14,1% relativamente a 2016.

Apesar do aumento de 16,4% na Amadora, continua a ser mais barato viver nesta cidade adjacente a Lisboa que no Porto – as casas passaram a custar uma média de 1006 euros, acima dos 966 euros registados no 2º trimestre de 2017. O INE acrescenta que o Funchal foi a cidade onde se registou o menor crescimento, apenas de 4,1%.