Vais apaixonar-te por Kali Uchis

Se sucesso depender de talento, ainda vamos ouvir falar muito de Kali Uchis.

“After The Storm” é o single que antecipa o próximo trabalho da artista colombiana que ganhou maior notoriedade ao lado de Tyler, The Creator. Além de completar o trio com Uchis e Bootsy Collins neste hit funk delicado que tem irrompido pelas tabelas e crítica, o rapper e produtor entra na produção de duas faixas do EP da artista, Por Vida, lançado em 2015, e Uchis empresta a sua voz doce a temas como “FUCKING YOUNG/Perfect”, “Find Your Wings” ou “See You Again”, canções de CHERRY BOMB e Flower Boy.

O sucesso da faixa antecipa-se também pelos responsáveis pela produção: um trabalho dos BadBadNotGood, o conjunto canadiano que também já tinha trabalhado com a cantora em “Rush“.

Uchis chegou a mais ouvidos depois da tempestade, vestida de bonança, mas a sua história não começou agora. A música é só o novo single de um primeiro álbum que a artista anda a construir há muito tempo, e que deve chegar esta primavera. Fool’s Paradise deverá ser o resultado da maturação de uma carreira iniciada algures em 2013. O primeiro teaser foi “Tyrant“, tema lançado em Maio, com a participação de Jorja Smith, que podia muito bem servir de bilhete de identidade da cantora de 23 anos.

O vídeo é uma daquelas misturas deliciosas que trazem elementos retro para um futuro próximo, uma viagem que prossegue com muita cor e referências vintage, contrastantes com a técnica e estética moderna. A música é uma carta, não aos amores de verão, mas ao verão de 2017. É glittery e dançável, mas brutalmente honesta, algo que, aliás, caracteriza todo o trabalho e abordagem de Kali.

Leve e fresca na sua doçura, a sua música floresce tipo algodão doce, para depois derreter no sol quente de julho e logo a seguir solidificar em ponto rebuçado. Poderiam chamar-se os três estados de Kali Uchis, sintomas psicossomáticos para quem mergulha no seu universo.

No meio de tudo isto, nos seus bangers românticos ferrados de autoconsciência, Uchis não esquece as raízes. Nascida e criada na Colômbia, Kali parece esforçar-se por incluir tradição nos vários elementos da sua arte. A influência latina é óbvia no seu estilo, em alguns beats e, obviamente, nas letras que escolhe cantar em espanhol. Em vídeos de temas como “Honey Baby” ou “Ridin Round”, Kali passeia nas ruas do país que a viu crescer, com os amigos e família ao seu lado. Porque esquecer as raízes também é isso e a sua honestidade chega a esse ponto. É a própria quem costuma dizer em entrevistas que a ajuda muito na construção das letras “poder desligar uma língua e ligar outra.”

Seguir cronologicamente o trabalho de Kali Uchis permite-nos perceber essa pureza que a acompanha desde o início. Desde o início que chamou a atenção de gente graúda do hip-hop como Snoop Dogg, A$AP Rocky, Earl Sweatshirt, a quem emprestou várias vezes a sua voz. Desde Por Vida – que poderia facilmente ser confundido com uma coleção de inéditos da Motown anos 60 – que nos tem habituado às melhores companhias (BadBadNotGood, Diplo, Kaytranada, Tyler, The Creator) e ao seu “lowrider soul”, o seu r’n’b moderno com laivos de pop sexy. Uchis mistura décadas e estilos para criar algo mais energético e saboroso que um batido tutti frutti de manhã. Sem mise-en-scène, what you see is what you get, precisamente uma universalidade que há de a levar para fronteiras cada vez mais longínquas.

Se sucesso depender de talento, ainda vamos ouvir falar muito de Kali Uchis.