Wi-fi sem electricidade? Sim é possível em impressão 3D

Embora a conectividade não seja complexa, o plástico impresso consegue transmitir pequenas fracções de informação para um telemóvel ou computador.

Mark Stone/University of Washington

Que a impressão 3D pode ser uma verdadeira revolução na forma como adquirimos os objectos não haja a mínima dúvida. A possibilidade de imprimirmos individualmente aquilo que quisermos, recorrendo a uma impressora própria que podemos ter em casa, será um volte-face numa série de indústrias e circuitos de distribuição, mas esta não é a única novidade, nem o único principio revolucionário – chamemos-lhe assim.

Também a nível de materiais, este novo tipo de construção permite grande inovação. Exemplo disso é a recente criação de um grupo de investigadores da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, objectos impressos em 3D com conectividade wi-fi sem que para isso precisem de bateria eléctrica ou doutro tipo.

Os estudantes Vikram Iyer, Justin Chan e o professor Shyamnath Gollakota usaram para o efeito compostos de plástico com filamentos condutivos como cobre ou grafeno, que moldaram de modo a criar uma espécie de interruptor automático para o sinal wi-fi, como mostra o vídeo abaixo.

Assim, embora a conectividade não seja complexa, o pedaço de plástico consegue transmitir pequenas fracções de informação para um telemóvel ou computador, modificando ligeiramente sinal wi-fi que ambos partilham – uma interação que permite, por exemplo, emular o comportamento do Amazon Dash – o botão que se pode configurar para fazer uma encomenda automática de um determinado produto através do smartphone.

Mais do que um sistema de comunicação complexo, a introdução do wi-fi no plástico deste modo elementar pode permitir avanços na chamada Internet das Coisas, conseguindo obter a conectividade necessária em electrodomésticos sem um aumento considerável da complexidade do sistema ou do preço.

Previous Pilotos recusam-se a levantar voo para proteger refugiados
Next Artista africana de 63 anos ganha prémio de Artes Visuais no Reino Unido, sabes porque é inédito?