O vídeo que te vai fazer repensar a escola de hoje em dia

Não é fácil delinear todos os problemas da escola moderna, mas estes seis são certamente alguns deles.

Youtube/Next School

O vídeo é da autoria da NEXT, uma escola sem fins lucrativos empenhada em tornar a aprendizagem mais atractiva, gratificante e relevante. Com sede na Índia, descrevem-se como a primeira escola que baseia a sua educação em imagens do país. São um dos braços da instituição de solidariedade Ramniklal Zaverbhai Shah Trust. Dedicam-se a estudar os melhores e mais proveitosos modelos educacionais que existem pelo mundo fora e dizem ter como principal objectivo promover uma actualização tão necessária para um sistema que dizem ser padronizado, de escolaridade. 

O vídeo prova isso mesmo. Trata-se de uma reflexão sobre o sistema tradicional de educação que prova como algo que foi projectado na era industrial, está agora desactualizado e ineficaz.

Começa por referir o contra senso que é estarmos a preparar as crianças para um mundo em constante mudança, com base num sistema que não é modificado há centenas de anos. Pensado à luz da mentalidade e da imagem da era industrial, tinha como principais objectivos a produção em massa, o controlo em massa e o destino derradeiro numa fábrica. É esse o 1º problema: Valores da Era Industrial, características como, sermos obrigados a cumprir regras sem questionar e sermos recompensados por fazer exactamente o que nos mandam. Em oposição, a um mundo moderno que valoriza pessoas criativas, que conseguem comunicar fora da caixa (estás a ver?). Não estaremos nós a criar crianças no sentido contrário àquele que o mundo quer os adultos?

O 2º problema é a falta de autonomia: uma vida controlada pelo sistema – as horas que temos que dedicar a matemática, história e ciências são definidas pelo horário decidido pela escola, quando no mundo real, para os empregos de maior responsabilidade, somos obrigados a ser senhores do nosso tempo, com capacidade para nos dividirmos entre tarefas e estabelecermos prioridades.

Aprendizagem pouco autêntica é o 3º problema, isto por se basear em memorizar matéria, em vez de a perceber e saber pôr em prática. O sistema estabelece os conteúdos que todas as crianças têm de aprender. Todos os meses, essa aprendizagem é posta em prática em testes, para os quais estudamos e ficamos nervosos mas, e no dia seguinte? Ainda te lembras daquilo que estudaste? Tudo isto levou a uma cultura muito pouco saudável entre estudantes, a de competir pela melhor nota e de valorizar uma nota acima do nosso conhecimento evidente, nós, os nossos pais, as escolas, faculdades e mercado de trabalho.

O 4º problema identificado é a falta de espaço para a criatividade e interesses próprios. A estandardização do sistema pressupõe que cada criança tem que aprender as mesmas coisas, ao mesmo tempo, da mesma forma, mas nem todos temos aptidão e gosto pelas mesmas matérias. Diz a NEXT School que tal formatação não respeita sequer algo tão simples como o facto de sermos humanos, únicos e diferentes, cada um à sua maneira. Se a chave para a felicidade é encontrarmos aquilo que nos faz feliz, não faria mais sentido pensar num ensino mais direccionado para as nossas paixões e vocações ou que, pelo menos, permitisse a cada aluno focar-se nos seus interesses ou descobrir aquilo em que é realmente bom? O vídeo dá inclusivamente exemplos de grandes génios da humanidade que foram maus alunos na escola, para percebermos que são assuntos distintos.

O 5º problema relaciona-se com a forma como aprendemos. Voltando a falar nas diferenças de cada criança, o vídeo explica como cada criança tem o seu ritmo e os seus métodos e ferramentas de aprendizagem. Na escola de hoje, não há grande espaço para essas diferenças. Se por acaso fores um bocadinho mais lento/a a acompanhar a matéria de matemática por exemplo, és considerado mau aluno.

O 6º e último problema é lecturing, algo que não tem uma tradução directa para português, mas que se relaciona com a forma palestrada como são dadas as aulas. Os professores falam enquanto turmas de 30 alunos têm que ficar caladas, se ouvem ou não é outra questão. Desses 30, um até pode estar a interiorizar o que lhe é dito, os outros, por precisarem de uma abordagem mais prática e experimental, ficam para trás. Fala ainda da pouca abertura do sistema à tecnologia, que hoje em dia permite saber tudo o que quisermos com rapidez e à distância de um clique, em oposição a palestras de 90 minutos.

Porque não queremos distanciar-nos da intenção primária da NEXT School de nos ensinar a todos via imagens, convidamos-te a ver o vídeo e a analisá-no comparativamente com o estudo divulgado hoje pelo Conselho Nacional de Educação sobre o “Estado da Educação” em 2016. É interessante ver como, por exemplo, uma das conclusões levantadas pelo estudo é precisamente que os alunos que tomam atenção nas aulas têm melhores notas, as tais aulas palestradas que a NEXT critica.